Porto Alegre, domingo, 22 de setembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
23°C
10°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1510 4,1530 0,26%
Turismo/SP 4,1200 4,3600 0,69%
Paralelo/SP 4,1300 4,3700 0,69%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
129953
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
129953
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
129953
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa
edgarlisboa@jornaldocomercio.com.br

Repórter Brasília

Coluna publicada em 28/12/2012

Fim da votação secreta

No pronunciamento de balanço que realiza sempre no fim do ano legislativo, o senador Paulo Paim (PT) tocou em uma questão que não agrada muito aos parlamentares. “Sempre defendi que não houvesse nenhum tipo de votação secreta. Sou favorável, como apresentei na PEC, a que toda votação no Parlamento, seja na Câmara, seja no Senado, tenha que ser aberta.”

Sem negociata

O parlamentar petista também afirmou em plenário que se nega a realizar votações na base do toma lá, dá cá. “Me nego, lá na Comissão de Orçamento, a participar de qualquer negociata que vá na linha de dizer: só voto algo vinculado à saúde, à educação, à habitação, ao meio ambiente, ou qualquer outra área, desde que liberem as emendas”, declarou. “Há quem faça assim, eu não faço, não consigo. Para mim, os temas de caráter nacional é que interessam, se vai liberar ou não a emenda, isso faz parte da vida”, completou.

Reestruturação da Uergs


Em 2012, Paim, que é um dos parlamentares mais atuantes de todo o Congresso Nacional, participou de cerca de 600 votações e mais de 150 audiências públicas. Todavia, ele não quis no discurso ressaltar apenas o seu trabalho e citou a reestruturação da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs) como um bom exemplo. “No fim de 2011, empenhamos, com apoio de toda a bancada gaúcha, investimento de R$ 5 milhões para a reestruturação da Uergs”, comemora. Já em 2012, o senador lembra que foram aprovados R$ 13 bilhões com o objetivo de construir o novo campus da “universidade estadual e gratuita, que atende a todos os gaúchos”.

Rodízio de emendas


Ainda durante seu pronunciamento, Paim relatou a curiosa forma com que distribui as emendas a quem tem direito. Diferentemente de outros parlamentares, ele não direciona as verbas para os maiores colégios eleitorais. “O município menor e mais pobre recebe primeiro. Os maiores recebem depois, porque tenho o entendimento de que R$ 250 mil para Porto Alegre não é nada, agora, lá para Capão do Leão, para Capão do Tigre, naturalmente, vai ser muito importante”, contou.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Golpe e corrupção
A sessão desta quinta-feira na Câmara deverá ser marcada principalmente por duas palavras: golpista e corrupto
Depósitos judiciais
Está sendo discutido no Supremo Tribunal Federal (STF) o uso de depósitos judiciais para pagar despesas públicas
Estatuto do Desarmamento
A comissão especial que trata do projeto de lei que revoga o Estatuto do Desarmamento deve votar o relatório do deputado Laudívio Carvalho (PMDB-MG) hoje
Brasil chinês
A Câmara dos Deputados aprovou a urgência na tramitação do projeto de lei que regula a compra de terras brasileiras por estrangeiros