Porto Alegre, terça-feira, 17 de setembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
24°C
14°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1130 4,1150 0,61%
Turismo/SP 4,0400 4,2800 0%
Paralelo/SP 4,0500 4,2900 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
148869
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
148869
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
148869
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Palavra do Leitor Roberto Brenol Andrade
opiniao@jornaldocomercio.com.br

Palavra do Leitor

Coluna publicada em 28/12/2012

Panettone e o “pibinho”

Uma amiga minha, que passou o Natal nos EUA, disse ter encontrado panettone fabricado no Brasil muito mais barato do que aqui. Respondi a ela que deve ser a carga tributária (além de ter fator de custo de logística, trabalhista etc.). Pesquisando na internet, descobri que tal produto sofre uma incidência de cerca de 35% de impostos, creio que na terra do Tio Sam deva chegar a 10% no máximo. Começo pelo panettone, símbolo do Natal e de fim de ano, término de um ciclo e de renovação para, mais uma vez, explicar por que o Brasil patina com um “pibinho” ridículo. O raciocínio é cartesiano: O Brasil tem um governo federal perdulário, que morde 70% da arrecadação de impostos de todo o bolo tributário. Trabalhamos quase seis meses pagando impostos. A má gerência de impostos, burocracia e a corrupção fazem com que não tenhamos uma educação de qualidade (aí, remendos como cotas etc.), carência de infraestrutura e por aí vai. Ano que vem teremos um “pibinho”, segundo analistas. A presidente Dilma tenta reverter o rumo com isenção de IPI em produtos industrializados, baixar a luz na marra (mesmo que isto custe apagão no futuro) e promete investir receitas do pré-sal em educação. Certamente o que se investe em educação no Brasil é satisfatório, o problema é que se investe mal. Investimos pouco e mal na educação de base, oferecemos ensino universitário gratuito e acreditamos que é tudo uma questão de falta de recursos. Com este pensamento, vamos continuar penando e, particularmente, vejo o Brasil sendo a Grécia de amanhã. Tomara que eu esteja errado. Feliz 2013! (Marcelo do Vale Nunes, administrador, Porto Alegre)

Praça

Basta de ocupações da praça da Matriz. Quem, como eu, subia a Duque de Caxias e ia até lá brincar, inclusive à noite, sábados e domingos, hoje tem medo de cruzar por ali. Invadiram a praça e sem nenhuma originalidade. Falam tanto dos norte-americanos e, quando podem imitam. Tinha o Ocupem Wall Street, agora temos o Ocupem a praça. Besteira das grossas. Desocupem a praça da Matriz! (Nádia Souza Figueiredo, Porto Alegre)

Partidos

Não dá mesmo para levar os partidos políticos brasileiros a sério. Como se admitir a coligação do PP com o PCdoB aqui em Porto Alegre? É inacreditável. Da mesma forma, tem gente que era da Arena e agora participa da administração do PT no governo do Rio Grande do Sul. Nada contra os dois partidos, mas a ideologia onde fica? Comunistas e capitalistas juntos? Bom, a hoje presidente Dilma Rousseff era do PDT, ficou no PT e hoje manda em Brasília... (Ingo Mangueira, Porto Alegre)

Na coluna Palavra do Leitor, os textos devem ter, no máximo, 500 caracteres, podendo ser sintetizados. Os artigos, no máximo, 2 mil caracteres, com espaço. Os artigos e cartas publicados com assinatura neste jornal são de responsabilidade dos autores e não traduzem a opinião do jornal. A sua divulgação, dentro da possibilidade do espaço disponível, obedece ao propósito de estimular o debate de interesse da sociedade e o de refletir as diversas tendências. 

Na coluna Palavra do leitor, os textos devem ter, no máximo, 500 caracteres, podendo ser sintetizados. As cartas publicadas com assinatura nesta página são de responsabilidade dos autores e não traduzem a opinião do jornal. A sua divulgação, dentro da possibilidade do espaço disponível, obedece ao propósito de estimular o debate de interesse da sociedade e o de refletir as diversas tendências.
COMENTÁRIOS
julio cesar de souza cabral - 28/12/2012 - 03h18
Estamos chegando ao final de mais um ano. E por consequencia comecando mais um ano.


julio cesar de souza cabral -
28/12/2012 - 03h24
Como sempre, em todos, temos nossas vitorias e nossas derrotas.espero que em 2013, predomine as vitorias sobre as derrotas.


Angela de Abreu Rodrigues -
28/12/2012 - 10h56
O PP deveria é dar uma punição a Ana Amélia Lemos, sua senadora por ter se assanhado pro lado de Manuela, a candidata conumista. Com certeza, isso jamais aconteceria, pois se não fosse a TV ter sido o maior cabo leitoral da senadora que entra nos nosso lares há mais de tr?s décadas. Assisti à explicação do presidente estadual do PP tentando justificar esse absurdo: gaguejou e explicou coisa nenhuma. Vergonhoso, pois os reraciona?ios do PP, na década de 60 e 70 caçaram os comunistas, torturaram e muitos desaparecerem. Ah, esqueci, que Manuela faz questão de se despreender do PC do B, pois na suia campnah eleitoral, não vi o nome da sigla no seu amaterial de campnha. Um bom dia.


julio cesar de souza cabral -
29/12/2012 - 08h05
E, o final do ano chegando!


julio cesar de souza cabral -
29/12/2012 - 08h12
Nao corra neste neste feriadao!


julio cesar de souza cabral -
30/12/2012 - 08h20
O risco de afogamento e iminente em qualquer lugar, tenha cautela, ao banhar-se.


julio cesar de souza cabral -
30/12/2012 - 16h00
Seja responsavel, nao corra, nao mate e nao morra.

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Crise
Atribuindo a causa de nossos problemas atuais para nossa "herança portuguesa"
Cais Mauá
Porto Alegre virou uma terra de ninguém
Lei Kandir
Excelente e oportuníssima a matéria de capa do Jornal do Comércio Perdas com a Lei Kandir somam 63% da dívida do Estado
Previdência
O funcionalismo público estadual reluta equivocadamente em aceitar a reforma previdenciária que deve ser feita para que aconteça o óbvio equilíbrio entre arrecadações e benefícios