Porto Alegre, quinta-feira, 28 de outubro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
417025
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
417025
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
417025
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ELEIÇÕES 2012 Notícia da edição impressa de 09/10/2012

PT tenta compreender queda no desempenho eleitoral

Alexandre Leboutte

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Adeli Sell atribui o insucesso no pleito a “somatório de fatores”
Adeli Sell atribui o insucesso no pleito a “somatório de fatores”

No dia seguinte à pior derrota sofrida pelo PT na Capital, o presidente municipal da sigla, Adeli Sell, ainda não tinha um entendimento claro sobre as causas na queda acentuada de votos dados ao partido nos últimos anos. Depois de governar a cidade por 16 anos e chegar a eleger Raul Pont no primeiro turno, em 1996, com mais de 400 mil votos, a sigla amarga a terceira derrota consecutiva. Desta vez, a legenda sequer disputou o segundo turno. O candidato petista, Adão Villaverde, fez 76.548 votos (9,64% dos votos válidos), tendo ficado em terceiro lugar.

Adeli entende que existe “um somatório de fatores” para a perda de força eleitoral do PT em Porto Alegre. “São questões nacionais, estaduais e locais”, diz Adeli, observando que o julgamento do mensalão, “especialmente nesta última semana (que antecedeu o pleito)”, foi um dos elementos nacionais a impactarem negativamente na imagem do partido. Entre as causas estaduais, cita o desgaste do governo Tarso Genro (PT) com o magistério. “Quem é governo sempre carrega o peso de algum descontentamento”, justifica, revelando que ouviu muitas cobranças pelo não pagamento do piso aos professores. “Todo mundo tem um professor na família”, afirma, “mas não podemos maximizar isso”, pondera.

O líder petista constata que, no plano local, o PT tem encontrado dificuldade para se apresentar como “uma oposição visível”, com uma intensidade maior nas cobranças ao governo municipal. “A cidade tem muitos problemas, mas talvez não tenhamos conseguido expô-los com clareza”, alega. O eleitor teria percebido similaridade nas candidaturas de Villaverde, José Fortunati (PDT) e Manuela d’Ávila (PCdoB), uma vez que todos pertencem à base dos governos estadual e federal, acredita Adeli.

O diretório municipal do PT se reunirá na próxima terça-feira para iniciar um ciclo de debates, com o intuito de analisar o resultado da eleição. “A minha ideia, como presidente do PT, é regionalizar este debate. Nós temos que envolver a militância”, defende Adeli, reclamando que “um elemento que pesou foi a pouca presença militante” na campanha majoritária. “Não sentimos o mesmo vigor e determinação, a estrela no peito, o adesivo, a participação nas caminhadas”, enumera.

Perguntado se teria influenciado o fato de Villaverde ser uma liderança menos conhecida do eleitorado, Adeli respondeu que o partido, como um todo, teve uma queda, inclusive perdendo duas cadeiras na Câmara Municipal - o PT elegeu sete vereadores em 2008 e cinco neste ano. O dirigente foi um dos prejudicados com o resultado do pleito. Depois de quatro mandatos no Legislativo, ficou de fora da futura composição da bancada petista.

A construção de alianças com as siglas que historicamente acompanharam o PT, como o PCdoB e o PSB, refutada pelo partido neste pleito, também deve ser analisada. “Mas tudo isso são hipóteses, que, no máximo, a gente pode somar uma à outra, pois não existe uma única questão”, avalia.

COMENTÁRIOS
Flavio BR - 09/10/2012 - 08h17
A voz do povo é a voz de Deus!? Incrédulos e crentes, a democracia é soberana e reflete o pensamento coletivo. Salve o voto e a liberdade de expressão.


Samir Tavares -
09/10/2012 - 11h14
Acham que o povo não vê o que está acontecendo??? Ainda mais com as redes sociais trabalhando para a integração das idéias que outrora eram reprimidas nos folhetins políticos.


Milton -
09/10/2012 - 16h13
O PT que apoiou o debate sobre um novo projeto de cidade hoje é prisioneiro das práticas burocráticas. A disputa eleitoral parece cada vez mais desconectada dos problemas reais da sociedade urbana. Nesta eleição não houve um debate consistente sobre a cidade e seu futuro. Perdeu a cidadania que será chamada para referendar projetos que não ousam se justificam perante um público esclarecido.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
O candidato Luis Lauermann votou no Colégio Pio XII às 9h
Luis Lauermann é eleito o novo prefeito de Novo Hamburgo
Apoiadores de Tarcísio Zimmermann, do PT, fizeram carreata ontem
Campanha eleitoral tem início em três municípios
TSE determina apuração de gastos com horas extras de servidores do tribunal
Os gastos com horas extras no período eleitoral, em especial de setembro a novembro, foram maiores que nas eleições de 2010