Porto Alegre, sexta-feira, 10 de julho de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
16°C
10°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
118589
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
118589
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
118589
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

AGRONEGÓCIOS Notícia da edição impressa de 01/10/2012

Atenção ao bem-estar do rebanho garante mercado à carne

Zootecnista britânico elogiou a pecuária brasileira

Clarisse de Freitas

FREDY VIEIRA/JC
Na Farsul, Broom destacou a importância de se atender ao desejo dos consumidores.
Na Farsul, Broom destacou a importância de se atender ao desejo dos consumidores.

A preocupação dos consumidores com o bem-estar dos animais de produção é crescente em todo o mundo. Foi a partir dessa constatação que o zootecnista britânico Donald Broom construiu sua argumentação da importância de se observarem as técnicas de manejo na pecuária para ganhar mercados. “Marcar o gado com ferro quente, por exemplo, é algo que provoca muita dor e vários mercados já restringem a compra de animais que passam por esse procedimento. Suspender essa prática é algo barato e que aumenta o bem-estar do rebanho”, exemplificou ele.

O especialista, considerado o “papa do bem-estar animal”, foi um dos palestrantes da VII Jornada do Núcleo de Estudos em Sistemas de Produção de Bovinos de Corte e Cadeia Produtiva (Nespro), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), que se encerrou na sexta-feira na sede da Farsul, em Porto Alegre. Em sua palestra, Broom destacou que é importante entender os valores do consumidor. Ele também apontou, ainda, alguns indicadores de bem-estar e as certificações que existem em relação a esse tema.

Para o pesquisador, o Brasil é um dos países mais avançados com relação à produção de conhecimento acadêmico sobre a produção pecuária e o bem-estar animal. “Aqui os produtores têm acesso à informação científica sobre o tema. Claro que não são todos, assim como não são todos os consumidores que atualmente se preocupam com as condições de produção. Mas a tendência é que isso aumente”, disse ele.

O coordenador do Nespro, médico-veterinário Júlio Barcellos, destacou que as pesquisas apresentadas durante os dois dias do evento visam a um maior equilíbrio na produção pecuária. “Buscamos tanto o equilíbrio social e econômico quanto o ambiental. Fazer com que o setor produtivo se aproprie das informações encontradas pelos pesquisadores é ainda mais importante nesse momento em que todos almejam aumento da produtividade”, explicou.

Para Barcellos, só é possível atingir o equilíbrio na pecuária com a incorporação de boas práticas de cuidado, alimentação e manejo sanitário - o que garante, também, uma carne mais saudável para o consumidor. “A preocupação na sociedade é crescente, mas esse é um conhecimento novo. Antes, esses cuidados com o bem-estar eram dirigidos somente aos animais de companhia”, observou.

Entre as técnicas apresentadas no encontro, Barcellos destacou aquelas voltadas à intensificação da produção. Segundo ele, esse é o caminho para compensar a necessidade de mais terras para a produção agrícola (que pressionam a pecuária). Com uma maior lotação, o coordenador do Nespro destaca que é necessário ampliar o uso do conhecimento e aumentar o investimento. 

Já Broom ressaltou que, no processo de intensificação da pecuária, uma das principais tendências é a inclusão de outras folhas na alimentação ofertada aos animais, como de árvores e arbustos. “A intensificação provocará uma revolução nos próximos 10 ou 20 anos. Diversificar a oferta de alimento melhora as condições de produção e o bem-estar dos animais, aumenta a produtividade e a biodiversidade. Com isso, o sistema de criação será mais sustentável no futuro”, conclui.

Produtores de arroz da América do Sul e dos Estados Unidos migram para milho e soja

Produtores dos Estados Unidos e da América do Sul estão migrando do arroz para o milho e para a soja a fim de aproveitar a alta recente dos preços dos dois últimos, de acordo com autoridades da indústria, analistas e traders. Esse movimento deve restringir a oferta de arroz, impulsionando o preço de algumas variedades do grão. 

Os preços mais altos da soja reduziram as perspectivas de produção de arroz no Brasil. O País é um importante exportador de arroz de grão longo Indica e parboilizado para países africanos. A expectativa é de que a produção de arroz do Brasil totalize 7,8 milhões de toneladas em 2012/13, redução de 10% em relação à expectativa inicial e queda marginal ante o ano-safra anterior, por conta do interesse dos produtores em plantar soja, afirmou o economista-sênior do Conselho Internacional de Grãos (IGC) Darren Cooper. 

O Brasil deve aumentar a produção de soja em 10 milhões de toneladas no ano que vem, salientou Cooper. Nem o alto prêmio do arroz no mercado à vista brasileiro em relação aos contratos futuros de arroz negociados nos Estados Unidos deve conter a queda na área plantada, destacou o presidente da consultoria Hackett Financial Advisors, da Flórida, Shawn Hackett.  Nos Estados Unidos, a situação é semelhante. “A produção de arroz dos EUA diminuiu porque os produtores estão migrando. Os mercados de outras culturas estão sinalizando preços maiores aos produtores”, disse o agrônomo-sênior da Universidade do Iowa Elwynn Taylor. 

No patamar de preços atual, o arroz híbrido oferece retornos entre US$ 60,00 e US$ 100,00 por acre sobre os custos totais, apontou o economista agrícola Scott Stiles, da Universidade de Arkansas. Já o retorno obtido com o plantio de soja e milho está mais elevado, entre US$ 109,00 por acre e US$ 147,00 por acre, respectivamente. Taylor destacou que os preços internacionais da soja e do milho atingiram níveis recordes recentemente por conta das secas nos Estados Unidos e na América do Sul, que reduziram a oferta global dos dois grãos. Já os estoques de arroz seguem amplos devido à produção volumosa da Índia, da China e de países do Sudeste asiático.

Nos EUA, a terra cultivada com arroz de grão longo diminuiu quase 39%, para 1,74 milhão de acres no ano-safra que terminou em 31 de julho, de acordo com dados do Departamento de Agricultura do país. A área total cultivada com arroz nos EUA, incluindo também os grãos médios e curtos, não sofreu grandes alterações em 2012/13, mas, em 2013/14, deverá cair 4%, ou 119 mil acres. Segundo Stiles, isso se deve, em grande parte, ao aumento dos preços da soja.  

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Anele diz que projeto Brazilian Rice ajuda a exportar arroz beneficiado
Projeto para exportar arroz beneficiado será estendido
Valor projetado para setembro é de R$ 0,814 o litro, aponta Conseleite
Preço do leite registra leve queda no Rio Grande do Sul
Aumento da umidade nos próximos dias vai retardar semeaduras
Clima ameaça a produtividade e o plantio
Agricultores participantes têm orientações para melhorar a produção
Programa incentiva boas práticas no meio rural