Porto Alegre, quinta-feira, 17 de outubro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
21°C
27°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1380 4,1400 0,40%
Turismo/SP 4,0900 4,3400 0,68%
Paralelo/SP 4,1000 4,3300 0,68%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
598979
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
598979
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
598979
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Artigo Notícia da edição impressa de 27/08/2012

Impostos sobre os remédios

Franco José Batista de Oliveira e Stephen Doral Stefani

Os impostos são alguns dos principais vilões para as dificuldades de acesso a medicamentos no Brasil. Alguns dados permitem compreender o contexto que compõe o cenário atual. No Brasil, se cobra do contribuinte 11 diferentes tipos de impostos sobre medicamentos: 9 federais, 1 estadual, 1 municipal e mais duas taxas cobradas a cada cinco anos pela Agência de Vigilância Sanitária para autorização de funcionamento e registro de remédios. Com isso, a carga tributária é de quase 34% contra 6,3% da média mundial, considerando que em alguns países não se cobram impostos sobre medicamentos. É praticamente consenso, também, que pior do que pagar um tributo salgado, é não identificar a contrapartida social: o governo arrecada o dobro de dinheiro com impostos do que gasta com compra de medicamentos e, quando compra, (e faz isso com 20% dos medicamentos usados pela população) também paga impostos, ou seja, parte do insuficiente orçamento sai direto do Ministério da Saúde e vai para a Fazenda. Tem solução?

O Paraná resolveu reduzir o ICMS sobre os medicamentos para 12% e aumenta impostos de produtos como cigarros, por exemplo. A venda de medicamentos aumentou e a arrecadação de impostos não caiu, inclusive aumentou. Existem, tramitando no Congresso Nacional, 24 propostas de redução da carga tributária sobre medicamentos. Destaca-se o projeto de Lei 2919/2011 que, se aprovado, reduzirá a zero alíquotas da contribuição para o PIS/Pasep e Cofins sobre a receita bruta da venda de equipamentos e medicamentos usados em hospitais da rede pública. Existe também a proposta de proibir a cobrança de impostos sobre medicamentos de uso humano, a exemplo de alguns medicamentos veterinários nos quais não incide impostos ou houve expressiva redução. Há uma citação de Benjamin Franklin, estadista norte-americano, que diz que as únicas coisas inevitáveis são os impostos e a morte. No nosso País, elas parecem íntimas, principalmente quando se tenta pagar a conta da farmácia.

Administrador de empresas/SP e médico/RS

COMENTÁRIOS
Miguel Heinen - 27/08/2012 - 08h47
Tramita na Camara dos Deputados, o projeto de Lei 1.472/07 que obriga o detalhamento dos Impostos nas Notas Fiscais. Temos que pressionar para que seja Votado e aprovado, pois só assim o brasileiro se acordará para o quanto é ROUBADO diáriamente em cada produto que consome...


Franco Oliveira -
27/08/2012 - 09h46
É incompreensível que podemos considerar que o que o Estado está arrecadando a mais do que investe na compra de medicamentos, por exemplo, pode estar subsidiando a redução do IPI dos carros!

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Acorda, Brasil
A maré da indignação nacional, por força de suas vertentes naturais, rompeu os diques da tolerância popular e se espraiou com a violência de um tufão
O Dia Mundial do Turismo no Rio Grande
Domingo, dia 27 de setembro, será comemorado o "Dia Mundial do Turismo no Rio Grande do Sul"
Dilma: pague a compensação da Lei Kandir
Aprovada em 1996, a lei federal isenta o ICMS de produtos e serviços para exportação
Fusões & Aquisições, oportunidade e risco
Quatro vezes um é igual a um! Essa é ainda a matemática feita pelo investidor estrangeiro em relação ao Brasil