Porto Alegre, terça-feira, 16 de julho de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
8°C
17°C
8°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7550 3,7570 0,48%
Turismo/SP 3,7000 3,9000 0,25%
Paralelo/SP 3,7100 3,9100 0,25%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
754399
Repita o código
neste campo
 
 
 

FEIRA DO LIVRO DE PORTO ALEGRE
de 31 de outubro a 16 de novembro de 2014

Notícia da edição impressa de 14/11/2014

Filme retrata integração cultural na fronteira entre Brasil e Uruguai

João Vicente Ribas

CLAITON DORNELLES/JC
Diretores de documentário e público debateram sobre a fronteira do Brasil e Uruguai
Diretores de documentário e público debateram sobre a fronteira do Brasil e Uruguai

Na região de fronteira entre o Brasil e o Uruguai vivem mais de 1,5 milhão de pessoas. Para além da integração econômica, nos últimos anos, as atenções têm se voltado para a integração cultural. Esse tema gerou o filme A linha imaginária, exibido e debatido na Feira do Livro.

Nos primeiros minutos do média-metragem, o escritor Aldyr Garcia Schlee afirma que “a fronteira política não tem nada a ver com a fronteira cultural”. A fala serve como sinopse do documentário dirigido pelos pelotenses Cíntia Langie e Rafael Andreazza. O roteiro apresenta diversas entrevistas. Além de Schlee, aparecem moradores fronteiriços e artistas como o compositor Chito de Mello, o poeta Fabián Severo e o músico Ernesto Díaz. Os depoimentos e imagens foram captados nas fronteiras do Chuí/Chuy, Aceguá/Aceguá, Santana do Livramento/Rivera, Jaguarão/Río Branco e Quaraí/Artigas.

No debate após a sessão, o diretor Rafael Andreazza relatou o processo de produção e opinou sobre o tema que o filme suscita. Ele acredita que “é uma violência estabelecer uma fronteira” e lembra que, durante a ditadura, se defendiam as questões nacionais, principalmente a língua, de forma que os países vizinhos eram ignorados. Mas hoje Andreazza enxerga um fenômeno recente de aproximação.

Convidado para o debate, o músico e radialista Demétrio Xavier aprovou o filme, pois vai ao encontro de sua preocupação de pensar a fronteira como região ampla cultural. Saudou o cuidado no roteiro para não resumir ao gauchesco a semelhança entre os países.

O historiador Eduardo Palermo afirmou que não se considera uruguaio, mas fronteiriço. Ele havia autografado pouco antes na praça o livro Tierra Esclavizada (Ed. Livraria Palmarinca), sobre os escravos na região fronteiriça. “A gente não pensa em termos de Uruguai ou Brasil, mas em fronteira”, relatou. Para ele, o filme resume muito bem algo que está em permanente movimento e enumerou as mudanças de domínios, ao longo dos séculos, nas disputas entre Espanha e Portugal.

Palermo observou que o que as pessoas pensam sobre a fronteira nos grandes centros, como em São Paulo e Montevidéu, é bem diferente do que acontece de fato. “Para entender a fronteira, temos que vivê-la”, concluiu. Como exemplo, relatou que nas escolas de Rivera estuda-se espanhol em sala de aula, enquanto no recreio fala-se portunhol.

Demétrio Xavier pediu licença para uma divagação intuitiva. Segundo ele, o gaúcho original teria montado uma sociedade alternativa. Sua tese é que os gaúchos não eram tão violentos quanto o resto da sociedade na época, pois se relacionavam com todos os tipos sociais, configurando um ambiente de inclusão e tolerância. “Eram bárbaros, não violentos; violenta era a sociedade”, reiterou. Palermo contribuiu lembrando que, na fronteira, a discriminação costuma ser menor, enquanto a liberdade é maior. Aldyr Garcia Schlee finalizou dizendo que a tradução do pronome espanhol nosotros seria “nós somos nós mesmos nos outros”.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
MAIS FEIRA DO LIVRO
Balanço da Feira, de acordo com organizadores, foi positivo
60ª Feira do Livro de Porto Alegre é considerada um sucesso
Patrono Airton Ortiz distribuiu rosas no encerramento da Feira do Livro
Feira do Livro encerra com homenagem ao Xerife e maracatu
Patrono da feira do livro de Santiago, Breno Serafini lançou seu quarto livro
Crônicas ilustradas: nova obra de Breno Serafini

O PRÊMIO

PREMIADOS

COMISSÃO JULGADORA

Blog Acontecendo

Entrevistas Troféu Cultura
#expandasuamente: fotos no estande do JC para o Instagram e Facebook

/jornaldocomercio

Spot de rádio

Coberturas dos Anos Anteriores

2013  |  2012  |   2011  |  2010