Porto Alegre, segunda-feira, 22 de julho de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
18°C
18°C
12°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7370 3,7390 0,18%
Turismo/SP 3,7000 3,8900 0,25%
Paralelo/SP 3,7100 3,9000 0,25%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
161271
Repita o código
neste campo
 
 

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto
 
imprimir IMPRIMIR

Notícia da edição impressa de 28/12/2011

Governo aposta nos financiamentos

Destacado como a grande arma do governo para sustentar o crescimento da economia brasileira em 2012, o crédito crescerá menos do que neste ano, segundo projeções do Banco Central. Em 2011, os empréstimos e financiamentos a pessoas físicas deverão subir 17,5%. Isso em um período em que se espera que a economia cresça em torno de 3%. Para 2012, no entanto, a equipe econômica do governo promete recuperação da economia, fala em crescimento entre 4% e 5% e diz que a base para isso deverá ser o consumo interno, financiado pelo crédito.

Estimativas do BC para esse segmento, porém, apontam que no ano que vem o estoque de empréstimos e financiamentos aumentará apenas 15%. A alta deverá ser puxada basicamente pela concessão de crédito para habitação por parte dos bancos públicos. Em 2010, quando o PIB subiu 7,2%, o crédito total aumentou 20,6%. Segundo o Banco Central, se for descontado o impacto da inflação, que será maior em 2011, o crescimento do estoque de crédito projetado para 2012 estará no mesmo nível do verificado neste ano.

A dúvida que fica é se esse ritmo de concessão de empréstimos será suficiente para garantir um crescimento maior da economia no ano que vem. Sondagens informais do BC indicam que os bancos já estão colocando o pé no freio em novas operações e a inadimplência está subindo. Em novembro, a inadimplência atingiu 7,3% do estoque de crédito, mas a avaliação do BC é que indicadores antecedentes apontam pequena queda e acomodação. Em dezembro de 2010, os atrasos de pagamento com prazos superiores a 90 dias somavam 5,7% do volume de crédito. A diferença é que no início de 2011 a economia vinha crescendo a 7%. Agora, com um cenário internacional delicado, a atividade econômica estreará 2012 crescendo em um ritmo menor.

A escalada da inadimplência e o agravamento da crise internacional deixaram os bancos mais rigorosos na concessão de crédito neste Natal. Dinheiro tem, mas apenas para aqueles que representam menor risco para as instituições financeiras. O problema é que há uma demanda forte vinda de consumidores classificados como problemáticos. A expectativa é que o índice de atraso nas contas do brasileiro atravesse o ano em alta e só comece a baixar no fim do primeiro trimestre de 2012. Isso se a crise não se agravar ainda mais e a economia interna voltar a reagir.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR