Porto Alegre, terça-feira, 19 de novembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
26°C
35°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1990 4,2010 0,14%
Turismo/SP 4,1400 4,4000 0,22%
Paralelo/SP 4,1500 4,3900 0,22%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
762393
Repita o código
neste campo
 
 

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e as edições
dos últimos
5 anos do JC.


 
para folhear | modo texto
 
imprimir IMPRIMIR

Notícia da edição impressa de 28/12/2011

Previsão de chuvas escassas ameaça a âncora verde do Estado

Pedro Maciel

O Rio Grande do Sul teve um excelente ano de 2010 com a economia crescendo 5,7%. A âncora desse desempenho foi a agropecuária, ainda tão importante na composição da riqueza do Estado, que cresceu 18,8% no ano – bem além dos 2,5% da indústria e dos 5,2% dos serviços. A renda per capita dos gaúchos cresceu 5,2% e atingiu R$ 24.844,00, pouco mais de R$ 5.000,00 acima da renda nacional, de R$ 19.509,00. A grande questão é se em 2012 o Rio Grande do Sul continuará a exibir números tão expressivos. O certo é que a dependência da produção primária precisa ser superada. Todas a previsões apontam para um novo período de estiagem patrocinado pela predominância do fenômeno La Niña, que reduz e torna irregulares as chuvas em um período em que elas são essenciais para as lavouras. Apostar em quê, então? O Estado vem investindo em tecnologia, na indústria naval, e espera investimentos de R$ 36 bilhões nos próximos anos – o que poderia definitivamente romper com a dependência da produção agrícola.

Nossa vocação exportadora, que sofre com a competição chinesa, precisa receber mais cuidados do governo federal. O presidente da Fiergs, Heitor Müller, ao apresentar a análise do ano e projetar 2012 defendeu uma política de defesa comercial que promova “a igualdade na competição” com os importados. “Não aceitamos que o Brasil seja uma feira livre de importados que chegam de qualquer lugar do mundo a preços ilegais e desleais”.

Outra campanha da Fiergs é pela simplificação tributária, onde a carga “é excessiva e mal investida”. Para Müller, “na prática, pagamos duas vezes, pois, além do valor do tributo recolhido, o contribuinte ainda é onerado pelo custo burocrático da apuração do valor desse recolhimento”.

No Estado, como no País, a economia fecha o ano em desaceleração. Para a Fiergs, 2012 será um ano de “perspectivas moderadas”, com crescimento estimado em 2,1% no cenário intermediário entre o otimista e o pessimista.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR