Porto Alegre, terça-feira, 14 de agosto de 2018.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
12°C
20°C
10°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8960 3,8980 0,87%
Turismo/SP 3,8900 4,0800 1,24%
Paralelo/SP 3,9000 4,0900 1,23%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
695652
Repita o código
neste campo
 
 
FEIRA DO LIVRO. De 26 de outubro a 11 de novembro em Porto Alegre.

MENU
Últimas notícias
JC na Feira do Livro
 
Troféu Cultura Econômica
Premiados
Comissão Julgadora
Fotos da Premiação
ARQUIVO
Hotsite Feira 2011
Hotsite Feira 2010
 
imprimir IMPRIMIR

09/11/2012 - 15h24min

Luisa Geisler, menina-prodígio

Ricardo Araújo

Emerson Machado/CRL/Divulgação/JC
Aos 21 anos, Luisa Geisler  tem dois livros publicados
Aos 21 anos, Luisa Geisler tem dois livros publicados

Na bagagem dela constam dois livros publicados, dois prêmios Sesc de Literatura e o título de ser um dos 20 melhores escritores nacionais com menos de 40 anos concedido pela revista Granta. A carta de apresentação de Luisa Geisler impressiona ainda mais quando se descobre a idade dela: 21 anos. Vivendo entre Canoas e Porto Alegre, a gaúcha esteve na Feira do Livro autografando Quiçá, seu primeiro romance.

Luisa confessa que não lembra quando começou a escrever, para a resposta ela prefere dizer que tenta colocar ideias no papel “desde sempre”, mas admite que o ofício da escrita se tornou algo sério na vida a partir da oficina que realizou com Luiz Antonio de Assis Brasil. “Isso me deu um olhar diferente para tudo em relação à escrita. Antes, era mais uma possibilidade, e a oficina transformou isso em uma possibilidade concreta, real. Tornou-se mais como um trabalho mesmo. Lá eu pude entender sobre causa e conse-quência que se cria em uma narrativa e foi lá também que ouvi falarem do prêmio Sesc”, conta.

O primeiro reconhecimento oficial veio com o livro Contos de verão. Aos 19 anos, Luisa reuniu 17 contos que versavam sobre as pequenas mentiras que, inconscientemente, aplicamos no dia a dia. Com uma narrativa desapegada a certas convenções - como a necessidade de início, meio e fim - a jovem conquistou o prêmio Sesc e teve sua estreia nas estantes literárias. No ano seguinte, ela resolveu se desafiar e concorreu no mesmo concurso, mas dessa vez na categoria romance. O resultado não foi diferente. Quiçá abocanhou o primeiro lugar.

“Para escrever, achei os dois igualmente difíceis. Se tem a ilusão de que conto não tem fôlego, mas eu acredito que os dois são dificilmente iguais de se produzir. Teve capítulos que demorei uma tarde e contos que demorei um mês para finalizar. A questão é saber onde se quer chegar. O planejamento é diferente”, explica Luisa.

Quiçá traz uma reflexão sobre as relações familiares a partir do ponto de vista dos primos Clarissa, 12 anos, e Arthur, 18 anos. O último vai passar uma temporada na casa dos tios após uma tentativa fracassada de suicídio. Clarissa é extremamente madura para sua idade, pois os pais passam a maior parte do tempo trabalhando. O conflito de gerações é o que move a trama e os anseios de Luisa na literatura; “Tem uma pessoa que enxerga o mundo de um jeito e outra de outro, sempre. Se elas vivem juntas, entram em choque, e esse conflito me interessa”, revela.

Dividindo a carreira literária com aulas em duas universidades, Luisa passa o maior tempo dos dias na rua. É no ambiente entre metrô e ônibus que ela reflete sobre temas que, talvez, sirvam de base para sua produção. “Me inspiro nos pequenos detalhes. Tipo, quando vejo um guri vendendo algo no ônibus começo a pensar: quem ele é? O que as pessoas estão pensando sobre ele? Me foco nos pequenos detalhes e tento ver de ângulos diferentes a história. E é sempre o ângulo mais diferente possível que me interessa, que me desperte mais possibilidades. Gosto de sair da minha zona de conforto”, afirma ela, que admite que as ideias só são encaradas como possíveis tramas quando passam das anotações em papel para o computador.

A maturidade de Luisa não é apenas notada nas reflexões que ela levanta em seus textos ou na forma como ela enxerga a profissão de escritor. Obviamente contente com a seleção para a publicação da revista Granta, ela sabe que não é por ter começado de forma intensa a carreira que seu futuro está garantido. “Claro que é uma honra me ver entre os 20 melhores escritores brasileiros com menos de 40 anos, mas, ao mesmo tempo, é uma responsabilidade bem grande. Até porque não é obrigação da Granta me manter nesse lugar”. Luisa trabalha em um novo romance, mas, como toda cabeça de um jovem de 21 anos está em plena efervescência, as ideias pipocam e se transformam tanto que ela prefere não revelar os rumos da trama.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR