Mercado Financeiro

Dólar perde fôlego após fala de Tombini e cai 2,15% em dia de variações extremas

O mercado de câmbio teve dois momentos completamente distintos nesta quinta-feira. MARcello casal jr/abr/jc

Estadão Conteúdo

Em um dia marcado por variações extremas, o dólar à vista fechou em baixa de 2,15% nesta quinta-feira (24) cotado a R$ 4,046, perto da mínima do dia. Esta foi a primeira queda da cotação depois de cinco sessões consecutivas de alta da moeda norte-americana, que nesta semana superou a marca histórica de R$ 4.

O mercado de câmbio teve dois momentos completamente distintos nesta quinta-feira. Pela manhã, o mercado cedeu à aversão ao risco e levou o dólar à máxima de R$ 4,248 (+2,73%), em meio ao pânico nas mesas de operações. O movimento de alta teve forte componente especulativo, uma vez que os investidores repercutiam a aparente ineficácia das medidas do Banco Central e do Tesouro Nacional para conter o avanço do dólar e dos juros em meio às crises política e econômica.

O movimento de virada começou ainda pela manhã, a partir de declarações do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, durante a divulgação do Relatório Trimestral de Inflação do BC. Tombini sinalizou que não haverá aumento da Selic por um período prolongado e garantiu que BC e Tesouro têm instrumentos adequados para conter as turbulências dos mercados. A fala de Tombini afastou as especulações de que o BC não estaria disposto a usar as reservas cambiais vendendo dólares no mercado à vista para conter o avanço das cotações, forte fator de tensão no mercado.

Dólar e juros perderam força imediatamente às declarações de Tombini, reforçadas mais adiante pelo diretor de Política Econômica do BC, Luiz Awazu Pereira. A reação não foi maior devido aos ruídos no cenário político, com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), voltando a defender a não participação do PMDB no governo. A presidente Dilma Rousseff, que anunciaria hoje a reforma ministerial, adiou a medida para a próxima semana, justamente devido às dificuldades com os partidos da base, especialmente o PMDB de Cunha.

A inversão de tendência foi definida no início da tarde e foi consolidada com o anúncio da realização de leilões diários de compra e venda de títulos pelo Tesouro. A instituição adotará, entre 25 de setembro e 2 de outubro, um programa diário de venda e compra de NTN-F. Adicionalmente, será realizado leilão de venda de LFT com vencimento em 1º de setembro. De acordo com o Tesouro, o objetivo do programa é fornecer suporte e liquidez ao mercado de títulos públicos.

Na prática, a iniciativa do Tesouro busca reduzir a pressão no mercado de juros que, por sua vez, vinha afetando também as cotações do dólar. No mercado futuro de câmbio, o dólar para liquidação em outubro caía 4,49% às 17 horas, cotado a R$ 4,002.

Publicado em 24/09/2015 - 17h39min.

compartilhe: