Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Irã

- Publicada em 22 de Setembro de 2022 às 19:20

Presidente do Irã diz que morte de mulher que gerou protestos 'será investigada'

Ebrahim Raisi disse a jornalistas nas Nações Unidas que os relatórios oficiais não registraram abusos policiais

Ebrahim Raisi disse a jornalistas nas Nações Unidas que os relatórios oficiais não registraram abusos policiais


ED JONES/AFP/JC
AFP
O presidente iraniano, Ebrahim Raisi, disse nesta quinta-feira (22) que a morte de uma jovem que gerou protestos no país será investigada, acusando o Ocidente de hipocrisia por exacerbar preocupações. "Certamente será investigada", disse Raisi a jornalistas nas Nações Unidas, indicando que os relatórios oficiais não registraram abusos policiais.
O presidente iraniano, Ebrahim Raisi, disse nesta quinta-feira (22) que a morte de uma jovem que gerou protestos no país será investigada, acusando o Ocidente de hipocrisia por exacerbar preocupações. "Certamente será investigada", disse Raisi a jornalistas nas Nações Unidas, indicando que os relatórios oficiais não registraram abusos policiais.
Durante uma coletiva de imprensa em Nova York, onde participou da Assembleia-Geral da ONU, o líder iraniano repetiu a conclusão de um perito forense de que Mahsa Amini, de 22 anos, não foi golpeada. Essa afirmação é rejeitada pelos manifestantes.
"Mas não quero apressar uma conclusão", frisou Raisi. "Se houver uma parte culpada, certamente deve ser investigada. Entrei em contato com a família da falecida assim que pude e assegurei pessoalmente que continuaremos investigando o incidente com firmeza", apontou.
Os manifestantes, muitos deles mulheres, afirmam que Amini morreu sob custódia da polícia moral, unidade responsável por observar o cumprimento do rígido código de vestimenta das mulheres.
Horas depois de Washington impor sanções à esta unidade policial, Raisi acusou o ocidente de "hipocrisia", recordando os assassinatos cometidos pela polícia nos Estados Unidos e citando estatísticas sobre as mortes de mulheres no Reino Unido. "Por que não pedir exatamente o mesmo para aqueles que perdem a vida nas mãos das forças de ordem e outros agentes em todo ocidente: Europa, América do Norte, Estados Unidos da América?", disse.
Raisi não respondeu uma pergunta sobre a morte de pelo menos 17 pessoas durante os distúrbios que começaram após a morte de Amini na semana passada, mas disse que aceitava protestos pacíficos. "Devemos diferenciar entre manifestantes e vandalismo", afirmou.
Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO