Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

INDÚSTRIA

- Publicada em 24 de Janeiro de 2023 às 17:15

Aproximação comercial do Brasil com Argentina é importante, diz Fiergs

O presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry, participou de encontro empresarial em Buenos Aires

O presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry, participou de encontro empresarial em Buenos Aires


ALFIERI MAURO
O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs), Gilberto Porcello Petry, que participou do encontro empresarial na segunda-feira (23), em Buenos Aires, afirma que as iniciativas entre os dois países para facilitar o intercâmbio comercial entre eles são bem-vindas.
O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs), Gilberto Porcello Petry, que participou do encontro empresarial na segunda-feira (23), em Buenos Aires, afirma que as iniciativas entre os dois países para facilitar o intercâmbio comercial entre eles são bem-vindas.
"O Brasil precisa ser protagonista na América Latina, porque é o país mais forte. Como tal, deve puxar os demais", destaca.
Petry ressalta, porém, que a instituição de uma moeda comum para transações comerciais terá algumas dificuldades. "Como se equilibra isso? É necessário uma contrapartida para fazer andar. Eu acho mais fácil estabelecer um mecanismo que garanta, por intermédio de commodities ou outros produtos", disse ele. "O Euro levou 30 anos para ser implantado, com economias mais equilibradas. Aqui teríamos mais problemas", explica.
No encontro, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Union Industrial Argentina (UIA) entregaram aos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Alberto Fernández uma declaração conjunta contendo uma agenda comum das representações empresariais para dinamizar as relações bilaterais e fortalecer o Mercosul.
Entre ações, estão os pedidos de "estabelecer uma estratégia comum para impulsionar o investimento produtivo com base em um crescimento econômico estável"; "pomover investimentos para estimular o fornecimento de energia, infraestrutura e conectividade entre os dois países e na região" e "eliminar barreiras comerciais e avançar na implementação de iniciativas de convergência e cooperação regulatória".
 
Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO