Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Cultura

- Publicada em 01 de Julho de 2022 às 17:22

Morre o cabeleireiro Paul, referência no meio artístico em Porto Alegre

Paulo Azevedo, conhecido pelo Salão do Paul, tinha trabalho reconhecido entre a classe artística

Paulo Azevedo, conhecido pelo Salão do Paul, tinha trabalho reconhecido entre a classe artística


LUIZA VALLE/DIVULGAÇÃO/JC
Adriana Lampert
Conhecido por clientes e amigos como Paul, o cabeleireiro gaúcho Paulo Azevedo (52 anos) foi encontrado morto em seu apartamento na madrugada desta sexta-feira (1º) em Porto Alegre. O velório será realizado hoje a partir das 21h, na capela L do cemitério São Miguel e Almas, e o sepultamento ocorrerá às 10h de sábado (2).
Conhecido por clientes e amigos como Paul, o cabeleireiro gaúcho Paulo Azevedo (52 anos) foi encontrado morto em seu apartamento na madrugada desta sexta-feira (1º) em Porto Alegre. O velório será realizado hoje a partir das 21h, na capela L do cemitério São Miguel e Almas, e o sepultamento ocorrerá às 10h de sábado (2).
O anúncio da morte do cabeleireiro, muito lembrado no meio artístico e cultural, foi feito pela família através das redes sociais. O profissional era conhecido pelo Salão do Paul, estabelecimento que comandou por 33 anos no miolo do Centro Histórico, na rua Marechal Floriano Peixoto. 
Segundo uma de suas primas, Melissa Lemos Azevedo, ele foi encontrado por um tio e um sobrinho, com a ajuda dos bombeiros. Desde que fechou o Salão do Paul, estava trabalhando com dois tios, no salão Santos e Ênio, na avenida Independência.
"Na quarta-feira de manhã ele não apareceu. Meu pai achou estranho que ele não avisou, mas decidiu esperar, pois ele também vinha atendendo os clientes em casa. Só que aí na quinta ele também não foi trabalhar, então, eles começaram a ligar e mandar mensagens, decidiram ir à noite no apartamento dele", explica Melissa. Ela comenta que o primo vinha se sentindo muito triste desde que fechou seu negócio, por conta da queda do movimento em meio à pandemia de Covid-19. "Além disso, ele sempre foi muito ligado à sua mãe e à nossa avó, que também já faleceram, e estava se sentindo muito sozinho", lamenta.
Na época que fechou seu salão, Paul inclusive vendeu o mobiliário, que contava com peças em estilo retrô. O espaço era famoso e frequentado por diversos integrantes do meio artístico de Porto Alegre, principalmente artistas plásticos, músicos, atores e pessoas ligadas ao setor audiovisual e à propaganda e moda.
Nesta sexta-feira, uma série de depoimentos nas redes sociais, lembraram a importância de Paul para as artes e outras causas, na Capital. 
"O Paulo Azevedo não era apenas um cabeleireiro, o que ele fazia era arte. A sua forma de viver era artística, ele instigava e incentivava novos artistas, emprestava o local onde ficava seu salão e até mesmo a sua casa para ensaios fotográficos e afins, mas ele ia além disso, ele inspirava pessoas e não há bem maior e melhor que esse. Vai fazer muita falta não só para os amigos próximos, mas também para todos aqueles que tiveram minimamente o prazer de conviver com o Paul", escreveu um amigo, Lucas Mendes Soares. "Hoje, Porto Alegre perde uma personalidade e parte da história da cidade, a comunidade LGBTQIAP+ perde uma referência e eu não poderia estar mais triste. Meus sentimentos aos familiares", completou.
Outra postagem, do coletivo teatral Das Flor, descrevou Azevedo como "um artista de igual talento e generosidade que abraçou sempre com muito amor e dedicação o convite para fazer as cabeças das criações" do coletivo, "fosse qual fosse a empreitada". "A expressão dele no mundo foi gigante, ela fica em todes os artistes e obras com as quais ele colaborou. Paul para nós foi sempre uma honra contar a tua assinatura. Que tua passagem seja com muito amor, com vc sempre será. Evoé!"
Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO