Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Eleições 2022

- Publicada em 02 de Outubro de 2022 às 16:02

População contava com o passe livre em Porto Alegre

Após impasse, prevaleceu a gratuidade nos ônibus de Porto Alegre

Após impasse, prevaleceu a gratuidade nos ônibus de Porto Alegre


Bruna Suptitz/Divulgação/JC
Bruna Suptitz
Caso tivesse que pagar a tarifa do ônibus de Porto Alegre neste domingo, Adriana Corrêa ia ser pega de surpresa. Ela não acompanhou o noticiário durante a semana e saiu de casa sem dinheiro, contando com o passe livre, tradicional na capital gaúcha nos dias de eleições. No mesmo ponto, perto do Colégio Estadual Júlio de Castilhos, Marcelo Silva disse que não sabia do impasse e também esperava não ter que pagar a tarifa. Já a situação de Iracema Santos era o oposto: estava com o dinheiro para pagar a passagem e soube do passe livre quando viu a placa no ônibus.
Caso tivesse que pagar a tarifa do ônibus de Porto Alegre neste domingo, Adriana Corrêa ia ser pega de surpresa. Ela não acompanhou o noticiário durante a semana e saiu de casa sem dinheiro, contando com o passe livre, tradicional na capital gaúcha nos dias de eleições. No mesmo ponto, perto do Colégio Estadual Júlio de Castilhos, Marcelo Silva disse que não sabia do impasse e também esperava não ter que pagar a tarifa. Já a situação de Iracema Santos era o oposto: estava com o dinheiro para pagar a passagem e soube do passe livre quando viu a placa no ônibus.
O vai e vem de informações sobre ter ou não a gratuidade no transporte coletivo de Porto Alegre marcou a semana que antecedeu o pleito. Por quase 30 anos a capital gaúcha teve gratuidade no transporte coletivo em dia de eleição, garantida em lei de 1995. Mas uma alteração na lei no fim do ano passado acabou com a obrigatoriedade da medida. O caso foi parar na Justiça, que garantiu a gratuidade para toda a população por meio de uma liminar.
Luciano Almeida diz não entender a tentativa de mudar, já que sempre teve passe livre em dias como este nos 23 anos em que trabalha como motorista de linhas que ligam o Centro à Zona Sul. Ele chegou a ir para o trabalho com o “kit troco” fornecido pela empresa, pois não tinha certeza de qual orientação estaria valendo.
Entre quinta-feira e o domingo do pleito, quatro decisões diferentes deixaram confusos usuários e trabalhadores do transporte coletivo. Marcos Soares transportou 180 pessoas na sua primeira volta com a linha Belém Novo - sem contar quem não conseguiu passar pela catraca por falta de espaço e acabou descendo pela porta de embarque. Muitas pessoas entraram com o cartão na mão, e então ele avisava que não era preciso pagar. Para ele, a informação chegou no fim da tarde de sábado, em um grupo de WhatsApp.
O motorista Thiago Soares, da linha T1, também ficou sabendo pelo WhatsApp da decisão final da prefeitura de acatar a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho. Maria Gorete, cobradora na mesma linha, conta que é comum algumas pessoas pensarem que é preciso pagar em dia de passe livre. Mas, com a confusão dos dias recentes, mais pessoas que o comum perguntaram se seria preciso pagar.
Sabrina Moreira dos Santos soube ontem que a tarifa não seria cobrada. Ela mora em Alvorada há 5 anos, mas não transferiu o título, então veio a Porto Alegre para votar na Pucrs. Ela diz que faria o deslocamento para votar mesmo que precisasse pagar a passagem, mas entende a medida como importante, especialmente para quem tem menos renda e depende do ônibus.
Um dos principais pontos levantados com esse debate é que o transporte público deveria ser gratuito nos dias de eleições, já que o voto é obrigatório no Brasil. Mas, por ser um serviço de responsabilidade das prefeituras, cada município tem autonomia para decidir por si e não há uma norma geral para todo o País sobre o passe livre.
O casal Ivete e Plauto Rocha mora em Viamão e vota em Porto Alegre. As duas cidades têm passe livre hoje, mas o ônibus intermunicipal, de gerência do governo do Estado, foi pago. Para Plauto, que acompanhou o impasse, a gratuidade deveria ser regra em dias de mobilização, como eleições ou campanhas de vacinação.
Conforme a Secretaria de Mobilidade Urbana e a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), foi ampliada a oferta de ônibus em 40% em relação à tabela de domingo, sendo disponibilizadas 5.655 viagens para atender aos usuários do transporte coletivo. Mesmo assim, muitos ônibus ficaram lotados.
Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO