Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Começo de Conversa

- Publicada em 04 de Agosto de 2022 às 23:29

A esponja da vovó


Fernando Albrecht
Fernando Albrecht
Ainda se encontram à venda as esponjas vegetais para banho, fartamente usadas nos tempos em que era difícil encontrar sabonete nas colônias. O lado bom é que remove células mortas e facilita a circulação e prevenção de celulite. O lado ruim é que podem acumular bactérias, mas lá por isso sabonete em barra e esponjas sintéticas também podem.

Ainda se encontram à venda as esponjas vegetais para banho, fartamente usadas nos tempos em que era difícil encontrar sabonete nas colônias. O lado bom é que remove células mortas e facilita a circulação e prevenção de celulite. O lado ruim é que podem acumular bactérias, mas lá por isso sabonete em barra e esponjas sintéticas também podem.

 

Praiana, Matheus & Cia

Até os anos 1960, eram relativamente poucas as pessoas que almoçavam fora, a maioria ainda podia almoçar em casa e voltar ao trabalho de ônibus ou bonde. O Centro era o ímã que atraía empregos, na área mais central de Porto Alegre havia bons restaurantes e churrascarias, mas no que hoje chamamos de bufê, duas casas se sobressaíam, a Praiana e o Matheus, este defronte à Praça da Alfândega, cujo dono era chamado de Kid Berloque, pelo uso de correntes e anéis. Teoricamente era para ser a quilo. Mas para os fiéis era no olho mesmo. Uma gorjetinha eliminava a balança.

Além de lanches históricos como sanduíche de pernil e um cachorro-quente vindo do Paraíso, restavam a comida de verdade, arroz, feijão, massa, alguma carne ou bife e salada. Para beber, Charrua ou Minuano Limão, Pepsi Cola (a Coca perdia de goleada para a Pepsi) e um copo grande de leite gelado. Sim, bebia-se leite nas refeições.

A Praiana ficava um pouco adiante, quase esquina General Câmara, que todos chamavam de Ladeira. No meio da quadra havia o cartório de protestos, então, de quem tinha título protestado se dizia que subiu a Ladeira.

A Praiana disponibiliza mais cadeiras junto aos balcões, sentava-se lado a lado. O bife à milanesa e a massa eram muito bons. Se era macio? Sim, desde que passassem um rolo compressor em cima dele várias vezes. Quando você passava do PF de pé sujo para um dos dois restaurantes citados, era sinal de que havia subido na vida e no salário.

Quase ao lado da Praiana, a Churrascaria Capri oferecia a chuleta a Osvaldo Aranha, criação do próprio, com farofa. Adiante, na Acylino de Carvalho, reinava a Spaghettilândia. Já não era para o bico do pobre, mas para profissionais liberais nela e em outras casas era costume beber um copo de vinho, de preferência um clarete, vinho tinto leve, uma cor que brigava com tinto e o rosê. O tinto ganhava.

Para os pelados, a volta do Mercado Público. Mas essa já é outra história.

Os dois lados da tragédia

O que dizer da anulação do júri dos réus da Kiss? De um lado, a justa ira das famílias dos mortos, de outro, erros processuais, segundo dois dos três desembargadores que optaram pela anulação. Vão sofrer o diabo por isso. Famílias sofrem o diabo desde o incêndio. Fora disso, todas as palavras são inúteis.

Feirão da Spaan

A Spaan realiza nesta sexta-feira e sábado a terceira edição do Feirão de roupas e acessórios com preços a partir de R$ 2,00. O evento é uma das principais fontes de recursos para a instituição na Rua Frederico Etzberger, 635, bairro Nonoai, das 9h às 16h. Informações: (51) 3247-7400.

Sobre a ignorância

Um dos três mestres da ficção científica, o grande matemático Isaac Asimov, já cantava a pedra nos anos 1980. O desprezo pelo conhecimento e cultura, escreveu, levou a absurdos sintetizados numa frase: A minha ignorância é melhor do que o seu conhecimento.

Acabou a moleza

Na véspera da entrada da frente fria, cidades da serra gaúcha, normalmente as mais frias, tiveram tarde mais quente que a maioria dos municípios gaúchos segundo a Metsul. Em algumas regiões, passou dos 28 graus.

Mortos em combate

Em uma guerra ideológica polarizada como vivemos, o primeiro desaparecimento é o bom humor. E junto com ele, a cordialidade. A TV aberta é um festival de ira e fúria, e nem um bom programa de humor não temos mais.

Doação gigante

Ação realizada pelo escritório Carpena Advogados, de Porto Alegre, mobilizou 70 integrantes do escritório. As tarefas geraram pontos que foram convertidos em doações para 15 entidades assistenciais da Capital. No total, a arrecadação foi de 1,780 tonelada de alimentos, 4,6 mil peças de roupas, 450 pares de calçados e 241 kg de tampinhas de plástico.

Chegamos lá

É o fim da picada. Agora o quadro de candidatos está completo. Temos presidiários, ex-presidiários e futuros presidiários, diz o leitor Clesio Franceschina.

 

Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO