Porto Alegre, quinta-feira, 14 de outubro de 2021.
Porto Alegre,
quinta-feira, 14 de outubro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Governo Federal

- Publicada em 14/10/2021 às 17h34min.

Após Bolsonaro recusar vacina, Flávio toma segunda dose e é vaiado

O senador foi vaiado durante a passagem por uma unidade de saúde em Brasília, nesta quinta-feira (14)

O senador foi vaiado durante a passagem por uma unidade de saúde em Brasília, nesta quinta-feira (14)


JEFFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO/JC
Após o presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmar que não tomará a vacina contra Covid-19, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), filho "01" do chefe do Planalto, tomou a segunda dose do imunizante. Ele foi vaiado durante a passagem por uma unidade de saúde em Brasília, nesta quinta-feira (14).
Após o presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmar que não tomará a vacina contra Covid-19, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), filho "01" do chefe do Planalto, tomou a segunda dose do imunizante. Ele foi vaiado durante a passagem por uma unidade de saúde em Brasília, nesta quinta-feira (14).
Conforme vídeos publicados por internautas nas redes sociais, o senador foi chamado de "fura-fila", "miliciano" e "genocida" por pessoas que estavam no local.
O parlamentar foi até uma unidade de saúde na Asa Sul, na capital federal, acompanhado do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.
Também houve gritos de "Fora, Bolsonaro" enquanto os dois estavam no posto de vacinação.
Diferente da primeira dose, quando recebeu a vacina do ministro da Saúde, Flávio Bolsonaro não postou vídeos ou fotos da segunda dose nas redes sociais até o fim da tarde desta quinta.
No Senado, Flávio tem defendido o governo do pai em meio ao desgaste na CPI da Covid e atribuído ao Executivo federal o mérito pela vacinação da população.
O governo, no entanto, é investigado na comissão por omissão ao ter ignorado ofertas de grandes laboratórios no ano passado.
Agência Estado
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO