Porto Alegre, segunda-feira, 30 de agosto de 2021.
Dia da Conscientização sobre a Esclerose Múltipla.
Porto Alegre,
segunda-feira, 30 de agosto de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Manifestação

- Publicada em 16h23min, 30/08/2021. Atualizada em 17h27min, 30/08/2021.

Justiça contraria Doria e dá aval para manifestações pró e contra Bolsonaro no mesmo dia em SP

A manifestação do Dia da Independência tem sido vista com ressalvas pelas autoridades devido aos pronunciamentos de Bolsonaro

A manifestação do Dia da Independência tem sido vista com ressalvas pelas autoridades devido aos pronunciamentos de Bolsonaro


VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL/JC
Apesar da proibição do governador João Doria (PSDB), uma decisão da Justiça nesta segunda-feira (30) garantiu aos grupos de oposição a Jair Bolsonaro o direito de realizar manifestação no vale do Anhangabaú, na capital paulista, no dia 7 de setembro.
Apesar da proibição do governador João Doria (PSDB), uma decisão da Justiça nesta segunda-feira (30) garantiu aos grupos de oposição a Jair Bolsonaro o direito de realizar manifestação no vale do Anhangabaú, na capital paulista, no dia 7 de setembro.
No mesmo dia, apoiadores do presidente marcaram um ato na avenida Paulista. A manifestação do Dia da Independência tem sido vista com ressalvas pelas autoridades devido às ameaças golpistas incentivadas por Bolsonaro, além tensão causada pela anunciada presença de policiais militares à paisana no protesto.
Diante desse cenário, Doria chegou a afirmar, na semana passada, que manifestações contrárias a Bolsonaro não poderiam ocorrer no dia 7 em nenhum local do estado de São Paulo.
Em sua decisão, o juiz Randolfo Ferraz de Campos foi enfático ao afirmar que "ninguém tem poder para vetar reuniões". A decisão ainda afirma que o governo de São Paulo deve garantir a segurança dos manifestantes.
A proibição de Doria foi atacada por especialistas da área do direito e políticos de partidos de esquerda, que apontaram inconstitucionalidade.
Tanto organizadores dos atos de esquerda como os da direita têm reuniões marcadas com a Polícia Militar para tratar dos protocolos das manifestações.
Apesar da separação geográfica, há risco de conflitos entre grupos antagônicos em estações de metrô e praças usadas como ponto de encontro, por exemplo. O cenário deixa em alerta o comando do policiamento e os próprios articuladores de manifestações.
O ato de esquerda, planejado pela Campanha Fora Bolsonaro, foi inicialmente convocado para a própria avenida Paulista. Como uma decisão judicial do ano passado determina o revezamento do local para atos pró e contra Bolsonaro, o entendimento da PM foi o de que era a vez da situação ocupar o espaço.
A campanha contestou o entendimento da PM e abriu uma disputa pela Paulista. Depois de pressionar Doria na tentativa de reverter o quadro e fracassar, o grupo desistiu da briga e transferiu a concentração para o Anhangabaú.
Doria, eleito governador em 2018 com a dobradinha "BolsoDoria", rompeu politicamente com o presidente e quer enfrentá-lo nas eleições presidenciais de 2022.
Doria tem afirmado que as pessoas contrárias a Bolsonaro poderão usar a avenida Paulista para protestar no dia 12, domingo seguinte ao Dia da Independência. Para esse dia está marcado um ato articulado por MBL (Movimento Brasil Livre), VPR (Vem Pra Rua) e líderes de partidos como Novo e PSL.
A iniciativa, ligada a setores da direita, também expressará apoio a uma terceira via para as eleições de 2022, como opção a Bolsonaro a ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O governador paulista busca se colocar como o presidenciável do PSDB e ocupar esse espaço.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário