Porto Alegre, sábado, 29 de maio de 2021.
Dia Mundial da Energia. Dia do Estatístico. Dia do Geógrafo.
Porto Alegre,
sábado, 29 de maio de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

pandemia

- Publicada em 10h00min, 29/05/2021. Atualizada em 10h26min, 29/05/2021.

Prefeito de Guarulhos pede fechamento do aeroporto de Cumbica por 15 dias

Aeroporto de Cumbica é o maior do País

Aeroporto de Cumbica é o maior do País


YASUYOSHI CHIBA/AFP/JC
O prefeito de Guarulhos, Gustavo Henric Costa (PSD), o Guti, pediu ao governo federal que feche o aeroporto de Cumbica, o maior do País, por 15 dias.
O prefeito de Guarulhos, Gustavo Henric Costa (PSD), o Guti, pediu ao governo federal que feche o aeroporto de Cumbica, o maior do País, por 15 dias.
Esse foi um dos dois pedidos feitos por meio de ofícios enviados aos ministérios da Defesa, Casa Civil, Saúde e Infraestrutura. Além do fechamento temporário que tem como objeetivo evitar que passageiros contaminados e vindos do exterior venham a propagar novas cepas de Covid-19, um outro documento propõe um plano de vacinação para todos os moradores acima de 18 anos da cidade. Para isso, serão necessárias 2 milhões de doses.
A reportagem teve acesso aos ofícios, datados do dia 26 de maio, última quarta-feira. No primeiro, o prefeito relata a falta de efetividade do controle sanitário dos voos comerciais que chegam ao aeroporto diariamente e pede fechmento do espaço áereo apenas para passageiros.
"Como a variante indiana já está presente em mais de 50 países, não havendo a possibilidade de ter uma barreira mais rígida, então que se feche o espaço aéreo exclusivamente para passageiros estrangeiros por 15 dias. A entrada de cargas, principalmente insumos farmacêuticos, não seria afetada. Neste período, poderíamos nos preparar melhor e evitar que essa nova variante se espalhe tanto dentro de Guarulhos como para outras cidades da região ou dos demais estados brasileiros", disse o prefeito em entrevista à reportagem.
Guti também afirmou que espera uma decisão rápida. "Não há muito tempo para se esperar. Estamos aguardando um posicionamento oficial dos órgãos competentes", disse.
Caso o governo federal recuse o pedido de fechar o espaço aéreo para passageiros, a prefeitura solicitou, no mesmo ofício, um novo protocolo que venha a fortalecer a barreira sanitária. "Estipulando como regra um espaço físico específico no aeroporto para a permanência destes passageiros até o efetivo deslocamento para cumprimento da quarentena", informa trecho do documento.
Já no segundo ofício, Guti solicita um total de 2 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 para imunizar toda a população de Guarulhos. O prefeito justifica que o município tem cerca de 1,4 milhões de habitantes e, até o momento do envio do ofício, haviam sido aplicadas 311.175 doses, sendo 203.269 de primeira dose e 107.906 da dose de reforço.
"Solicitamos a imunização de toda a população de Guarulhos, de modo a criar uma barreira no entorno do aeroporto, que é a principal porta de entrada do Brasil. Com isso, dentro de 30 a 45 dias, a cidade toda estaria imunizada", afirma Guti.
A vacinação dos funcionários do aeroporto teve início nesta sexta-feira (28). O prefeito disse que recebeu doses insuficientes para todo o público-alvo. Seriam necessárias 16 mil e foram enviadas apenas 11 mil. Com isso, ele disse que fez um remanejamento de 5 mil doses que já enviadas ao município. "Solicitamos a reposição dessas 5 mil e mais 10 mil para conseguir imunizar todos aqueles que trabalham no sítio aeroportuário, como funcionários das lojas e restaurantes do aeroporto, por exemplo", diz.
A Gru Airport, concessionária que administra o Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, disse que, a princípio, o fechamento do aeroporto não será feito, já que o assunto não estava em pauta.
À reportagem, o Ministério da Defesa confirmou o recebimento dos ofícios, mas destacou que a medida é um ato conjunto de diversos ministérios, e que a demanda seria direcionada à Casa Civil. Por sua vez, a Casa Civil informou que não havia sido notificada sobre o documento.
À reportagem, o Ministério da Saúde confirmou ter recebido o ofício, porém, quem trataria do assunto seria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Por sua vez, a Anvisa informou não ter competência legal para restringir a malha aérea. Até a publicação desta reportagem, o Ministério da Infraestrutura não se manifestou.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário