Porto Alegre, sexta-feira, 07 de maio de 2021.
Porto Alegre,
sexta-feira, 07 de maio de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

relações internacionais

- Publicada em 13h18min, 07/05/2021.

Após ataque de Bolsonaro à China, governadores pedem reunião com embaixador

Presidente sugeriu que a China teria se beneficiado economicamente da pandemia

Presidente sugeriu que a China teria se beneficiado economicamente da pandemia


ALAN SANTOS/PR/JC
Wellington Dias (PT-PI), presidente do Fórum dos Governadores, enviou à embaixada da China um pedido de audiência virtual com Yang WaBRnming, representante do país no Brasil, para tentar contornar o mal-estar gerado por novo ataque de Jair Bolsonaro.
Wellington Dias (PT-PI), presidente do Fórum dos Governadores, enviou à embaixada da China um pedido de audiência virtual com Yang WaBRnming, representante do país no Brasil, para tentar contornar o mal-estar gerado por novo ataque de Jair Bolsonaro.
O presidente sugeriu que a China teria se beneficiado economicamente da pandemia e afirmou que a Covid pode ter sido criada em laboratório - ecoando tese que não encontra respaldo em investigação da OMS sobre as possíveis origens do vírus. Ele ainda insinuou que o país asiático poderia estar fazendo uso do vírus como estratégia de guerra bacteriológica.
Os governadores querem enfatizar ao embaixador chinês que discordam de Bolsonaro e que são agradecidos pelo fornecimento de insumos para produção de vacinas.
A direção do Instituto Butantan afirmou nesta quinta-feira (6) que as declarações de Bolsonaro afetam a liberação de insumos pelas autoridades daquele país.
"Pode faltar (insumos)? Pode faltar. E aí nós temos que debitar isso principalmente ao nosso governo federal que tem remado contra. Essa é a grande conclusão", disse Dimas Covas, diretor do Butantan.
Ela acrescentou que até dia 14 há compromisso de entrega de vacina, de um lote que totaliza 5 milhões de doses, e que depois disso não haverá mais matéria-prima para processar.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário