Porto Alegre, sábado, 01 de maio de 2021.
Dia do Trabalho.
Porto Alegre,
sábado, 01 de maio de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

DIA DO TRABALHO

- Publicada em 18h57min, 01/05/2021.

'Lutaremos por reconstrução do Brasil', afirma Dilma em evento de 1 de maio

Dilma também criticou o que chamou de elite econômica do País

Dilma também criticou o que chamou de elite econômica do País


SERGIO LIMA/AFP/JC
A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou, durante evento que reuniu ex-presidentes, parlamentares de oposição e lideranças sindicais neste 1 de Maio, que começa agora a luta pela "reconstrução do Brasil", que segundo ela irá iniciar pela garantia de vacinas, a luta pela auxílio emergencial R$ 600,00, a extinção de emenda do teto de gastos, e a defesa "intransigente" da soberania nacional.
A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou, durante evento que reuniu ex-presidentes, parlamentares de oposição e lideranças sindicais neste 1 de Maio, que começa agora a luta pela "reconstrução do Brasil", que segundo ela irá iniciar pela garantia de vacinas, a luta pela auxílio emergencial R$ 600,00, a extinção de emenda do teto de gastos, e a defesa "intransigente" da soberania nacional.
A ex-presidente também não deixou de criticar o atual chefe do Executivo, Jair Bolsonaro. "O País está submetido ao comportamento genocida de um governo que despreza a vida e desdenha dos que choram pelos seus mortos", afirmou Dilma, que também classificou o atual governo como "fascista" e "neoliberal"
Dilma também criticou o que chamou de elite econômica do País "que se coloca sempre de costas e insensível ao sofrimento da população".
A ex-mandatária comemorou ainda o reconhecimento da suspeição do ex-juiz Sérgio Moro no caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da anulação das condenações do petista pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Para Dilma, isso é uma prova do "reconhecimento da inocência de Lula", que seria uma "vitória da Justiça e da democracia".
Segundo ela, a decisão do Supremo "abre uma forte e promissora perspectiva para a luta e a organização do povo brasileiros". "Está assim, aberto um caminho para reconstrução do Brasil", disse, e concluiu sua declaração dizendo: "Fora, Bolsonaro".
Dilma participou de encontro promovido por centrais sindicais, que contou com a presença de outros ex-presidentes, como Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB), e outras lideranças políticas como Ciro Gomes (PDT), Guilherme Boulos (PSOL) e o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). O evento foi organizado pela CUT, Força Sindical, UGT, CTB, NCST, CSB, Intersindical, Pública e CGTB. Este é o terceiro "1º de Maio Unitário" - como é chamado -, promovido pelas centrais.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário