Porto Alegre, segunda-feira, 15 de março de 2021.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 15 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Governo Federal

- Publicada em 17h48min, 15/03/2021.

Bolsonaro se reúne com cardiologista Marcelo Queiroga após recusa de Ludhmila em assumir Saúde

Exposição de base de dados cadastrais do SUS e alterações em registros geraram críticas

Exposição de base de dados cadastrais do SUS e alterações em registros geraram críticas


MARCELLO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL/JC
Depois da recusa da médica Ludhmila Hajjar para assumir o Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) conversa, na tarde desta segunda-feira (15) no Palácio do Planalto, com Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia e outro cotado para o cargo.
Depois da recusa da médica Ludhmila Hajjar para assumir o Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) conversa, na tarde desta segunda-feira (15) no Palácio do Planalto, com Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia e outro cotado para o cargo.
Além de Queiroga, hoje considerado favorito para o posto, o outro nome levado ao presidente para substituir o general Eduardo Pazuello é o do deputado federal Luiz Antonio Teixeira Jr. (PP-RJ), o "Doutor Luizinho".
Na véspera, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, Queiroga dissera que o presidente conhece seu trabalho, mas que esperaria o posto vagar oficialmente: "Um médico não assume o plantão de outro".
Marcelo Queiroga, Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, um dos cotados para ser Ministro da Saúde. 
Pazuello tem sido pressionado a deixar o cargo após desgastes na condução da pandemia no Brasil, que fez do país uma preocupação mundial devido à elevação de casos, internações e óbitos por Covid-19.
No domingo, Bolsonaro deu início às tratativas para um novo nome que terá o desafio de gerir essa crise. A primeira reunião, que durou ao menos três horas e contou com a presença do próprio Pazuello, foi com a cardiologista Ludhimila.
Nesta segunda, no entanto, ela afirmou ter rejeitado o convite para assumir o ministério e que recebeu ameaças de morte após ter se reunido com o presidente.
Em declarações à CNN Brasil, a médica afirmou que seu número de celular foi divulgado em grupos de WhatsApp, o que resultou em uma onda de ataques que a deixou assustada.
Agência Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO