Porto Alegre, domingo, 21 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 21 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Legislativo Estadual

- Publicada em 17h12min, 21/02/2021. Atualizada em 17h15min, 21/02/2021.

Comissão de Ética da AL escolherá novos presidente, vice e corregedor

Tiago Simon é titular e atual presidente da comissão

Tiago Simon é titular e atual presidente da comissão


Joel Vargas/Agência ALRS/JC
O plenário da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul aprecia nesta terça-feira (23) requerimento para renovação da composição da Comissão de Ética. Deverão ser escolhidos novo presidente, vice-presidente e corregedor em reunião deliberativa, convocada pelo atual coordenador da comissão ou por qualquer um dos membros titulares. A reunião que definirá as novas lideranças poderá ocorrer 48 horas após publicação no Diário Oficial.
O plenário da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul aprecia nesta terça-feira (23) requerimento para renovação da composição da Comissão de Ética. Deverão ser escolhidos novo presidente, vice-presidente e corregedor em reunião deliberativa, convocada pelo atual coordenador da comissão ou por qualquer um dos membros titulares. A reunião que definirá as novas lideranças poderá ocorrer 48 horas após publicação no Diário Oficial.
Os atuais titulares para o período 2021/2023 são Tiago Simon (MDB, atual presidente da comissão), Edegar Pretto e Fernando Marroni (PT), Mateus Wesp (PSDB), Sérgio Turra (PP), Aloísio Classmann (PTB), Capitão Macedo (PSL), Dalciso Oliveira ( PSB), Juliana Brizola (PDT), Fábio Ostermann ( Novo) e Fran Somensi (REP).
A comissão, vale lembrar, tem um caso polêmico para ser analisado neste ano: as denúncias contra o deputado Rui Irigaray (PSL), acusado por ex-cargos de confiança pela contratação de assessores parlamentares para demandas pessoais, por comandar esquema de rachadinhas entre os servidores e financiar um “gabinete do ódio”.
Comentários CORRIGIR TEXTO