Porto Alegre, domingo, 21 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 21 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Justiça

- Publicada em 10h58min, 21/02/2021.

Prisão de Silveira é rara unanimidade no STF

Placar é raro porque exige que todos os ministros da Corte estejam presentes à sessão

Placar é raro porque exige que todos os ministros da Corte estejam presentes à sessão


ROSINEI COUTINHO/SCO/STF/JC
O resultado de 11 x 0 no Supremo Tribunal Federal (STF), como no julgamento que manteve a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), ocorreu apenas dez vezes, segundo levantamento feito nas 393 sessões plenárias transmitidas ao vivo pela TV Justiça desde 2016.
O resultado de 11 x 0 no Supremo Tribunal Federal (STF), como no julgamento que manteve a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), ocorreu apenas dez vezes, segundo levantamento feito nas 393 sessões plenárias transmitidas ao vivo pela TV Justiça desde 2016.
Não é incomum julgamentos do Supremo terem resultado unânime, mas o placar "11 x 0" é mais raro porque exige que todos os ministros da Corte estejam presentes à sessão, que eles concordem integralmente entre si e tenham a mesma posição sobre o caso - e que nenhum deles se declare impedido ou suspeito.
Antes da pandemia, os magistrados frequentemente se ausentavam das sessões plenárias por causa de participação em seminários e conferências, ou licença médica, por exemplo.
A votação unânime no Supremo e a denúncia apresentada no mesmo dia pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Silveira forçaram aliados do governo Jair Bolsonaro e do presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), a rever a tentativa de tirar o deputado da cadeia.
"A decisão unânime, neste caso em que há um claro ataque ao tribunal e à democracia, é uma demonstração firme de que os ministros estabeleceram um limite a essas investidas e que não admitirão que ele seja ultrapassado. Ao mesmo tempo, a unanimidade gera um grande ônus para a Câmara", avaliou o professor de direito constitucional da FGV-SP, Roberto Dias.
O placar de 11 a 0 remete a outro julgamento que opôs a Suprema Corte e Câmara. Em maio de 2016, no auge da Operação Lava Jato, o então deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ) foi afastado da presidência da Câmara e do mandato com o voto de todos os ministros da Corte. Cunha era réu em ação penal e alvo de quatro inquéritos.
Naquela ocasião, o então presidente do STF, Dias Toffoli, afirmou se tratar de uma "excepcionalidade". "Não é um instrumento de valoração de um poder sobre outro", disse.
O plenário do Supremo também já decidiu de forma unânime para defender a liberdade de expressão e impor derrotas ao governo Bolsonaro. Em 2018, o STF derrubou norma que impedia as emissoras de rádio e TV de fazer trucagem, montagem ou sátiras com candidatos durante o período eleitoral.
Em junho de 2019, o STF impôs limites à extinção de conselhos pelo Palácio do Planalto, impedindo que o governo federal acabasse com colegiados que tenham sido criados por lei. Dois meses depois, a Corte manteve a demarcação de terras indígenas com a Fundação Nacional do Índio (Funai).
Os outros julgamentos do plenário "físico" que terminaram com placar 11 a 0 envolvem casos fora da arena política, como a validade de uma norma de Santa Catarina sobre controle de resíduos de embarcações.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO