Porto Alegre, quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Coronavírus

- Publicada em 14h55min, 18/02/2021. Atualizada em 19h57min, 18/02/2021.

Nova metástase no fígado não muda prognóstico da doença, diz oncologista de Covas

Prefeito já havia tido uma metástase no fígado que pôde ser eliminada com quimioterapia

Prefeito já havia tido uma metástase no fígado que pôde ser eliminada com quimioterapia


Rovena Rosa/ Agência Brasil/ JC
A descoberta de um novo tumor no fígado do prefeito Bruno Covas, anunciada nesta quarta-feira (17), não muda o prognóstico da doença, afirmou ao Estadão o oncologista Tulio Eduardo Flesch Pfiffer, membro da equipe médica do Hospital Sírio-Libanês que trata o prefeito de São Paulo. De acordo com o especialista, trata-se de uma metástase que, embora não desejada, ocorre "com uma certa frequência" em casos como o de Covas.
A descoberta de um novo tumor no fígado do prefeito Bruno Covas, anunciada nesta quarta-feira (17), não muda o prognóstico da doença, afirmou ao Estadão o oncologista Tulio Eduardo Flesch Pfiffer, membro da equipe médica do Hospital Sírio-Libanês que trata o prefeito de São Paulo. De acordo com o especialista, trata-se de uma metástase que, embora não desejada, ocorre "com uma certa frequência" em casos como o de Covas.
Pfiffer afirmou que a nova lesão não piora o quadro, pois o prefeito já havia tido uma metástase também no fígado que pôde ser eliminada com quimioterapia. "Em outubro de 2019, quando ele descobriu o câncer, ele já tinha uma metástase no fígado. Ele fez as sessões de quimioterapia e a resposta foi completa e sustentada. O resultado foi muito bom. A descoberta dessa nova lesão não piora o cenário. Esperamos que ocorra o mesmo agora", explicou Pfiffer. Ele contou ainda que o tumor recém-descoberto no fígado é "bem menor" do que o detectado no mesmo órgão em 2019.
O especialista esclareceu que a única mudança que a equipe foi obrigada a fazer foi a interrupção da imunoterapia para controle das lesões cancerígenas nos linfonodos para início da quimioterapia para combater a lesão no fígado.
Bruno Covas terá de fazer mais quatro sessões de 48 horas, com intervalo de duas semanas entre elas. A primeira sessão foi realizada já nesta quarta-feira, e o prefeito deverá permanecer internado até sábado. "Em dois meses faremos novos exames de imagem para ver a condição e definir os próximos passos do tratamento", explicou o oncologista.
O médico disse ainda que Covas não mudou sua postura ao receber o novo diagnóstico e que a equipe médica pretende manter a autorização para que ele trabalhe entre as sessões de químio. "Ele sempre tem uma cabeça muito boa, uma disposição muito grande, força e determinação. A ideia é que ele mantenha a rotina de trabalho", finalizou.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO