Porto Alegre, sábado, 13 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 13 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Investigação

- Publicada em 15h30min, 13/02/2021.

Gilmar Mendes derruba prisão domiciliar de Crivella no caso do 'QG da Propina'

A decisão do ministro permite a Crivella responder ao processo em liberdade mediante algumas cautelares

A decisão do ministro permite a Crivella responder ao processo em liberdade mediante algumas cautelares


MAURO PIMENTEL/AFP/JC
O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, derrubou a prisão domiciliar do ex-prefeito do Rio Marcelo Crivella (Republicanos), preso em dezembro após ser acusado de chefiar o 'QG da Propina' instalado no Executivo carioca. Crivella foi solto na tarde deste sábado (13).
O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, derrubou a prisão domiciliar do ex-prefeito do Rio Marcelo Crivella (Republicanos), preso em dezembro após ser acusado de chefiar o 'QG da Propina' instalado no Executivo carioca. Crivella foi solto na tarde deste sábado (13).
A decisão do ministro permite a Crivella responder ao processo em liberdade mediante algumas cautelares, como a obrigação de comparecer à Justiça, a proibição de manter contato com os demais investigados e a entrega do passaporte.
Apesar de rejeitar o habeas corpus da defesa, Gilmar decidiu tomar a decisão por iniciativa própria (de ofício) após vislumbrar 'constrangimento ilegal manifesto' na prisão de Crivella, medida que considerou excessiva e desproporcional.
"O que tem-se verificado, principalmente no âmbito dos crimes contra a Administração Pública, é uma recorrente afirmação de vetores axiológicos etéreos e abstratos como o clamor social e a impunidade generalizada como critérios aptos a lastrear a prisão cautelar", anotou Gilmar. "Sobre isso, é preciso que se diga que a prisão preventiva, ainda que substituída pela domiciliar, revela medida gravosa e de natureza excepcional, que atinge um direito fundamental e demanda uma fundamentação que encontre guarida em substrato empírico concreto, individualizado e atual, o que não foi demonstrado nestes autos".
A prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica havia sido determinada pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, que não vislumbrou razões suficientes para a prisão preventiva, que levou Crivella à cadeia a nove dias de encerrar o seu mandato na Prefeitura do Rio.
Em nota, a defesa de Crivella afirma que a decisão de Gilmar reconhece que a prisão ordenada contra o ex-prefeito do Rio foi 'ilegal e desnecessária'. "Primeiro, a ordem de prisão domiciliar pelo Superior de Justiça, e agora a revogação pelo Supremo Tribunal Federal, confirmam que a operação de dezembro foi abusiva e baseada em ilações", afirmam os criminalistas Ticiano Figueiredo, Pedro Ivo Velloso e Alberto Sampaio Júnior.
O Ministério Público do Rio acusa Crivella de montar esquema de propinas que arrecadou ao menos R$ 53 milhões. Além dele, oito pessoas foram alvo de pedidos de prisão preventiva, incluindo o empresário Rafael Alves, apontado como operador. Ao todo, a denúncia atingiu 26 investigados. Os crimes imputados são corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.
As propinas eram pagas em troca de favores a empresários junto a Prefeitura, como liberação de pagamentos e direcionamento de licitações. A intermediação ficava com o empresário Rafael Alves, homem de confiança de Crivella.
Ao ser conduzido à Cidade da Polícia em dezembro, Crivella declarou que é vítima de 'perseguição política' e disse que foi o governo que 'mais atuou contra a corrupção no Rio de Janeiro'.
O Republicanos, partido do prefeito, divulgou nota afirmando que aguarda 'detalhes e os desdobramentos' da prisão. "O partido acredita na idoneidade de Crivella e vê com grande preocupação a judicialização da política", afirmou a legenda.
 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO