Porto Alegre, domingo, 07 de fevereiro de 2021.
Dia do Gráfico.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 07 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Operação Lava-Jato

- Publicada em 14h32min, 07/02/2021.

Renan Calheiros quer anistia a hackers de caso Moro-Dallagnol

Senador diz que revelações serviram para desvendar "um pântano de transgressões"

Senador diz que revelações serviram para desvendar "um pântano de transgressões"


SÉRGIO LIMA/AFP/JC
Recém-empossado líder da maioria no Senado, Renan Calheiros (MDB-AL) disse em seu perfil no Twitter que vai apresentar projeto de lei para anistiar os hackers que revelaram diálogos atribuídos a procuradores da Operação Lava-Jato, como Deltan Dallagnol, e o ex-ministro da Justiça Sergio Moro, quando ainda era o juiz responsável pela força-tarefa.
Recém-empossado líder da maioria no Senado, Renan Calheiros (MDB-AL) disse em seu perfil no Twitter que vai apresentar projeto de lei para anistiar os hackers que revelaram diálogos atribuídos a procuradores da Operação Lava-Jato, como Deltan Dallagnol, e o ex-ministro da Justiça Sergio Moro, quando ainda era o juiz responsável pela força-tarefa.
"Os diálogos entre Moro, Dallagnol e o Santo Ofício de Curitiba desvendaram um pântano de transgressões. Vou apresentar um projeto para anistiar os hackers que descobriram a patifaria. A contribuição para democracia justifica tirá-los da cadeia e incluí-los no Panteão da Pátria", publicou o senador neste domingo (07), em seu perfil na rede social.
As conversas, apreendidas na Operação Spoofing e tornadas públicas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski, mostram orientações do ex-magistrado aos procuradores em investigações envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O petista anexou os documentos em processo que pede a nulidade de condenações impostas por Moro, alegando suposta parcialidade do ex-juiz que integrou a equipe ministerial de Jair Bolsonaro.
A postagem de Calheiros vem em meio à retomada de força política do senador no Congresso. Agora líder da maioria, ele quer se firmar na oposição ao governo e rivalizar, mais uma vez, com o ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP), que pode assumir a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a mais importante da Casa, com as bênçãos do presidente Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Calheiros sinaliza, nos bastidores, a possibilidade de disputar a vaga com o rival, reeditando, assim, uma guerra de braço entre os dois. A primeira delas foi em 2019, quando Alcolumbre venceu a eleição à presidência do Senado.
Comentários CORRIGIR TEXTO