Porto Alegre, sábado, 05 de dezembro de 2020.
Dia Internacional dos Voluntários.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 05 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Ministérios

- Publicada em 14h11min, 05/12/2020.

Ministério da Economia encerra vínculo com agência que elaborou lista de 'detratores'

O Ministério da Economia encerrou antecipadamente o vínculo com a agência de comunicação BR+ Comunicação. A empresa produziu um relatório, revelado pelo jornalista Rubens Valente, do UOL, em que classificou jornalistas como "detratores" e "favoráveis" a partir da avaliação feita de postagens de influenciadores sobre o Ministério da Economia e o ministro Paulo Guedes.
O Ministério da Economia encerrou antecipadamente o vínculo com a agência de comunicação BR+ Comunicação. A empresa produziu um relatório, revelado pelo jornalista Rubens Valente, do UOL, em que classificou jornalistas como "detratores" e "favoráveis" a partir da avaliação feita de postagens de influenciadores sobre o Ministério da Economia e o ministro Paulo Guedes.
Segundo informação da pasta, embora o fim do contrato estivesse previsto para 31 de dezembro deste ano, o Ministério solicitou a antecipação do encerramento do Termo de Execução Descentralizada (TED) firmado com a agência.
A Economia informou ter pago R$ 36.343,00 pelo produto "Mapa de influenciadores". O valor total do TED poderia chegar a R$ 2,7 milhões, mas foram pagos R$ 1,311 milhão para a agência para a contratação de serviços para a assessoria de comunicação da Pasta, como jornalistas, designers e gerentes de eventos.
O Ministério disse ainda não ter um contrato firmado com a agência, mas um termo, que vigorou desde junho. O Termo de Execução Descentralizada é um instrumento por meio do qual é possível descentralizar recursos do Orçamento de um órgão para o outro, para a execução de programas de interesse recíproco". Originalmente, o contrato da BR+ foi firmado com o Ministério da Ciência e Tecnologia.
No relatório, a BR+ orienta o governo a lidar com os influenciadores. As medidas vão de esclarecimentos ao "monitoramento preventivo". O "Mapa de influenciadores", analisou postagens feitas em maio de 2020 sobre Guedes e seu ministério. Entre os classificados como "detratores" estão a colunista do Estadão e apresentadora do Roda Viva, da TV Cultura, Vera Magalhães, Guga Chacra, Xico Sá e Cynara Menezes.
Em nota, a BR+ Comunicação afirmou que o uso termo "detrator", costumeiramente utilizado para se referir a traidores da pátria, "foi um erro de processo, já corrigido pela empresa". "Nosso padrão de monitoramento, que é uma técnica comum e utilizada por todas as assessorias, utiliza as expressões Negativo, Positivo' e Neutro. Pedimos desculpas ao cliente e aos influenciadores pelo mal-entendido, que, reiteramos, já foi sanado", diz a nota.
Comentários CORRIGIR TEXTO