Porto Alegre, terça-feira, 17 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 17 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

ELEIÇÕES 2020

- Publicada em 19h59min, 17/11/2020. Atualizada em 20h11min, 17/11/2020.

Marchezan anuncia que não apoiará nenhum candidato no segundo turno

Prefeito, que ficou em terceiro lugar no primeiro turno, não terá participação no segundo turno

Prefeito, que ficou em terceiro lugar no primeiro turno, não terá participação no segundo turno


Alex Rocha/PMPA/JC
Aguardada no meio político, a posição do prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) para o segundo turno da eleição municipal foi anunciada por meio de nota, no início da noite desta terça-feira (17). Justificando que deixou de ser candidato para se dedicar exclusivamente a administrar Porto Alegre, o tucano declarou que não apoiará nenhuma candidatura. Seu partido, no entanto, reúne-se nesta quarta-feira (18) para formatar posição.
Aguardada no meio político, a posição do prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) para o segundo turno da eleição municipal foi anunciada por meio de nota, no início da noite desta terça-feira (17). Justificando que deixou de ser candidato para se dedicar exclusivamente a administrar Porto Alegre, o tucano declarou que não apoiará nenhuma candidatura. Seu partido, no entanto, reúne-se nesta quarta-feira (18) para formatar posição.
"Neste segundo turno não apoiarei pessoalmente nenhum candidato, garantindo uma transição transparente, democrática e republicana", enfatizou Marchezan.
No texto, o tucano fez uma breve análise de seu mandato e, em tom de desabafo, disse que enfrentou a corrupção e "a velha política", e que pagou "o preço desta escolha com incompreensões, desgastes, perseguições políticas e agressões pessoais".
O prefeito falou ainda do processo de impeachment, que enfrentou "sem que tivesse cometido qualquer ilegalidade" e disse que, apesar da "incompreensão e injustiça", tinha o senso de dever cumprido.
"Certamente cometi erros e deixei de construir pontes que poderiam ter aliviado o caminho", afirmou, ressaltando ainda que os os acertos foram muitos.
O tucano disse que desde segunda-feira (16) deixou de ser candidato para ser apenas prefeito e, por conta disso, passaria o processo eleitoral para os eleitores e partidos. "E continuo a dar minha contribuição para a minha cidade, governando sem olhar ideologias, partidos, eleição ou disputado poder a qualquer custo", destacou.
Comentários CORRIGIR TEXTO