Porto Alegre, segunda-feira, 16 de novembro de 2020.
Dia Internacional da Tolerância.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 16 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

eleições 2020

- Publicada em 15h49min, 16/11/2020.

Sem provas e com atraso do TSE, Bolsonaro levanta dúvidas sobre apuração das eleições

Demanda pelo voto impresso é do 'povo' e é preciso atender a população, disse Bolsonaro

Demanda pelo voto impresso é do 'povo' e é preciso atender a população, disse Bolsonaro


Marcelo Camargo/Agência Brasil/JC
No dia seguinte às eleições municipais, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a questionar o sistema eleitoral do país e levantou dúvidas sobre o resultado das urnas. O presidente deu a declaração sobre o pleito nesta segunda-feira (16) ao conversar com um grupo de apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada.
No dia seguinte às eleições municipais, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a questionar o sistema eleitoral do país e levantou dúvidas sobre o resultado das urnas. O presidente deu a declaração sobre o pleito nesta segunda-feira (16) ao conversar com um grupo de apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada.
"Nós temos que ter um sistema de apuração que não deixe dúvidas. É só isso. Tem que ser confiável e rápido. Não deixar margem para suposições. Agora [temos] um sistema que desconheço no mundo onde ele seja utilizado. Só isso e mais nada", disse. "O Supremo disse que é inconstitucional o voto impresso, tem proposta de emenda constitucional na Câmara. Se nós não tivermos uma forma confiável de apurar as eleições, a dúvida sempre vai permanecer", continuou o presidente.
Bolsonaro ainda afirmou que a demanda pelo voto impresso é do "povo" e que é preciso atender a população.
"Muita gente fala sem ouvir o povo. No meu caso, estou sempre ouvindo a população eles querem um sistema de apuração que possa demorar um pouco mais, não tem problema nenhum, mas que seja garantido que o voto que essa pessoa deu, vá para aquela pessoa de fato", afirmou.
Aparentando estar abatido, o presidente ainda disse ao grupo de apoiadores no Alvorada "que não está passando bem hoje" e que iria dormir "agora". O mandatário sofreu uma derrota neste domingo ao ver a maioria dos candidatos que apoiou fracassar nas urnas.
A declaração de Bolsonaro ocorre após o primeiro turno das eleições municipais de 2020 ter sido marcado por problemas registrados na ferramenta do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) lançada com o objetivo de facilitar a vida do eleitor, lentidão da divulgação da apuração dos resultados e tentativas de ataques hackers a servidores da corte.
Segundo o presidente do tribunal, ministro Luís Roberto Barroso, houve uma falha em um dos núcleos no supercomputador que processa a totalização dos votos. Apesar do problema, Barroso garantiu que o episódio não afeta o resultado da votação.
"Não há nenhum risco de o resultado não expressar o que foi votado", afirmou por volta das 21h deste domingo (15), em entrevista coletiva à imprensa, que começou com uma hora de atraso por causa dos problemas. "Um dos núcleos de processadores do supercomputador que processa a totalização falhou e foi preciso repará-lo."
É a primeira eleição municipal em que os dados saem direto das seções eleitorais para serem totalizados no TSE. Isso pode ter contribuído para a demora da apuração.
Na conversa com os apoiadores nesta segunda, Bolsonaro evitou comentar resultados específicos das eleições. O presidente apoiou e fez campanha abertamente para 45 candidatos a vereador em diversas cidades do país. Desse total, ao menos 33 não conseguiram se eleger neste domingo (15). Além desses, o mandatário pediu votos para 13 prefeitos, dos quais apenas dois foram eleitos, ambos de cidades interioranas - Mão Santa (DEM), em Parnaíba, no Piauí, e Gustavo Nunes (PSL), em Ipatinga (MG).
Em São Paulo, Celso Russomanno (Republicanos) terminou o primeiro turno na quarta colocação. Das duas maiores capitais, apenas no Rio de Janeiro Bolsonaro viu seu candidato, Marcelo Crivella (Republicanos), passar para o segundo turno.
Apoiada pelo presidente na campanha suplementar para o Senado em Mato Grosso, Coronel Fernanda (Patriota), também perdeu. Todos os candidatos obtiveram o apoio nas "lives eleitorais gratuitas" de Bolsonaro.
Além desses, vários outros postulantes pelo país tentaram associar o seu nome ao do presidente, mas a maioria dos bolsonaristas acabou embolada nas últimas posições.
Neste domingo, Bolsonaro chegou a apagar posts em que pedia votos para candidatos, entre eles Russomanno. Nas redes sociais, o presidente também minimizou a derrota dos nomes que tiveram seu respaldo e indicou uma vitória em 2022, com um "sistema eleitoral aperfeiçoado". Ele afirmou que não se engajou completamente nas eleições.
"Minha ajuda a alguns poucos candidatos a prefeito resumiu-se a 4 lives num total de 3 horas", escreveu na noite deste domingo (15).
Bolsonaro ainda usou como exemplo do fracasso da campanha de Geraldo Alckmin à presidência em 2018 para relativizar o resultado da eleição municipal.
"Há 4 anos Geraldo Alckmin elegeu João Doria prefeito de São Paulo no primeiro turno", escreveu. "Dois anos depois Alckmin obteve apenas 4,7% dos votos na disputa presidencial", completou.
Ao contrário do que afirmaram alguns analistas, o presidente também apontou que a esquerda sofreu uma "histórica derrota" o que sinalizaria que a "onda conservadora chegou em 2018 pra ficar". "Para 2022 a certeza de que, nas urnas, consolidaremos nossa democracia um sistema eleitoral aperfeiçoado. Deus, Pátria e Família".
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO