Porto Alegre, segunda-feira, 16 de novembro de 2020.
Dia Internacional da Tolerância.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 16 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

eleições 2020

- Publicada em 03h00min, 16/11/2020. Atualizada em 09h06min, 16/11/2020.

País tem demora na divulgação dos resultados

Presidente do TSE, ministro Barroso apontou tentativa de invasão hacker ao sistema

Presidente do TSE, ministro Barroso apontou tentativa de invasão hacker ao sistema


ROBERTO JAYME/Ascom/TSE/Divulgação/JC
 
 
O tão eficiente sistema eleitoral eletrônico brasileiro deixou a desejar ontem no que diz respeito à divulgação dos resultados após o fechamento das urnas. Costumeiramente muito ágil, com os resultados quase definidos por volta das 19h, duas horas após o fechamento das urnas, o sistema informatizado apresentou uma lentidão incomum.
Segundo informou a assessoria de comunicação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), não foi registrado nenhum problema na apuração e totalização dos votos, que dependem da transmissão dos dados de cada Tribunal Regional Eleitoral (TRE) nos estados à corte superior, em Brasília. O que ocorreu, conforme a assessoria, foi uma demora no envio em tempo real dos dados do sistema de totalização.
Como resposta a políticos que usaram neste domingo as falhas técnicas enfrentadas pela Justiça Eleitoral, assim como a tentativa de ataque, para colocar em xeque a confiança do pleito, o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, afirmou não ter "poder sobre o imaginário" das pessoas.
O ministro Barroso combateu enfaticamente o argumento de que as instabilidades vividas no tribunal representam um risco à credibilidade do sistema eleitoral.
A base de aliados do governo de Jair Bolsonaro usou as redes sociais para criticar o TSE e espalhar suspeitas contra a segurança das urnas eletrônicas, além de voltar a pedir o voto impresso. Uma das declarações veio do filho do presidente e deputado federal, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que defendeu o voto impresso para garantir as eleições.
Barroso voltou a rejeitar a ideia de que esse sistema seja importante para a confiabilidade do sistema eleitoral, lembrando que o Supremo Tribunal Federal (STF) já julgou o voto impresso como inconstitucional.
Já sobre as reivindicações pelo uso de cédulas, o presidente do TSE afirmou que o retorno desse formato não atende ao interesse público - e ainda fez uma referência implícita ao tempo de apuração das eleições nos Estados Unidos, que votou para eleger seu próximo presidente no último dia 3, elegendo Joe Biden. Lá, uma das formas de votação é pela cédula de papel.
"Em um grande país que adota sistema de cédulas, a eleição acabou no dia 3, mas ainda estão contando e disputando", disse o presidente do Tribunal Superior Eleitoral.
Tanto Barroso como o vice-presidente da Corte, Edson Fachin, repetiram diversas vezes durante a coletiva à imprensa na noite deste domingo que o atraso na totalização de votos e a tentativa de ataque ao sistema da corte em nada interferem na confiança e na integralidade do sistema eleitoral e das urnas eletrônicas.
"O mundo político tem uma quantidade de retóricas pelos quais ele se move. Mas eu sou juiz, trabalho com fatos", disse Barroso, lembrando que os candidatos podem conferir o resultado das urnas, por meio do seu boletim, e compará-lo com os dados divulgados pelo TSE.
O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul (TRE-RS) também registrou problemas na totalização dos votos. O tempo de processamento foi mais demorado do que as previsões iniciais da Justiça Eleitoral.
Em Porto Alegre, às 19h, apenas 7,5% das seções eleitorais haviam sido apuradas. Em São Paulo, somente 0,3% das seções haviam sido totalizadas.
No Rio de Janeiro, no mesmo horário, o percentual de seções já computadas era de 6,8%. Já em Belo Horizonte, era apenas 1,6% das seções apuradas. Em Recife, a totalização era de míseros 0,5%.
Em algumas capitais, como Salvador, o andamento da apuração se deu de maneira mais rápida. Na capital da Bahia, às 19h, a apuração já havia computado 34,6% das seções eleitorais. Em Curitiba, no mesmo horário, eram 26,7% das seções já com resultado divulgado. Uma das capitais com divulgação mais rápida dos resultados, Florianópolis tinha 77% das seções finalizadas duas horas depois do fechamento das urnas.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO