Porto Alegre, segunda-feira, 19 de outubro de 2020.
Dia do Profissional de Informática. Dia da Inovação.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 19 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Eleições 2020

- Publicada em 21h53min, 17/10/2020. Atualizada em 13h04min, 19/10/2020.

Justiça suspende divulgação de pesquisa eleitoral em Porto Alegre

Juíza determinou a suspensão da pesquisa advertindo para prejuízos na informação aos eleitores

Juíza determinou a suspensão da pesquisa advertindo para prejuízos na informação aos eleitores


ROBERTO JAYME./ASCOM/TSE/JC
A Justiça Eleitoral suspendeu a divulgação de uma pesquisa com eleitores para a prefeitura de Porto Alegre. A decisão atinge a Foca Comunicação, que é responsável pela aplicação, com número de registro RS-05816/2020 no Superior Tribunal Federal (TSE). O pedido de suspensão foi pelo prefeito e candidato à reeleição, Nelson Marchezan Júnior (PSDB).
A Justiça Eleitoral suspendeu a divulgação de uma pesquisa com eleitores para a prefeitura de Porto Alegre. A decisão atinge a Foca Comunicação, que é responsável pela aplicação, com número de registro RS-05816/2020 no Superior Tribunal Federal (TSE). O pedido de suspensão foi pelo prefeito e candidato à reeleição, Nelson Marchezan Júnior (PSDB).
A representação entra com assunto de "divulgação de pesquisa eleitoral fraudulenta" e foi examinada pela 158ª Zona Eleitoral da Capital. A juíza Gladis de Fátima Canelles Piccini deferiu o pedido determinando a suspensão e retirada do ar de divulgação em sites da rede Pampa e do Clube da Opinião, ligado à Foca Comunicação. 
A chapa de Marchezan alegou que algumas questões apresentadas de estimulada para os entrevistados não continham todas as opções de resposta, como supressão de "não sei" ou "branco e nulo".
A juíza avaliou que havia os erros na formulação gerariam "possibilidade de prejuízo, não aos candidatos, mas aos eleitores, que têm o direito de serem adequadamente informados a respeito dos resultados das pesquisas de voto, as quais, obviamente, podem influenciar o eleitor", diz ela em seu despacho.
Comentários CORRIGIR TEXTO