Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Rio de Janeiro

- Publicada em 16h54min, 20/09/2020. Atualizada em 16h55min, 20/09/2020.

Presidente do Tribunal de Justiça do Rio mantém prisão de Cristiane Brasil

Alvo da Operação Catarata, sobre desvios na Fundação Leão XIII, Cristiane se entregou à Polícia Civil

Alvo da Operação Catarata, sobre desvios na Fundação Leão XIII, Cristiane se entregou à Polícia Civil


LUIS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
O presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio (TJRJ), Claudio de Mello Tavares, decidiu neste domingo (20), que a ex-deputada federal e candidata à prefeitura da capital fluminense Cristiane Brasil (PTB) continuará presa. Ele indeferiu os pedidos da defesa da ex-parlamentar, que queria relaxamento, revogação, substituição e conversão de sua prisão preventiva.
O presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio (TJRJ), Claudio de Mello Tavares, decidiu neste domingo (20), que a ex-deputada federal e candidata à prefeitura da capital fluminense Cristiane Brasil (PTB) continuará presa. Ele indeferiu os pedidos da defesa da ex-parlamentar, que queria relaxamento, revogação, substituição e conversão de sua prisão preventiva.
Na sexta-feira, o ministro Joel Ilan Paciornik, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), havia dado 24 horas para que o TJ-RJ analisasse o pedido de liberdade apresentado por Cristiane Brasil, que é filha de Roberto Jefferson.
Paciornik também determinou que o TJRJ proceda com a rápida redistribuição do processo na corte, o que também consta no despacho de Claudio de Mello Tavares deste domingo.
Alvo da Operação Catarata, que investiga desvios na Fundação Leão XIII, Cristiane se entregou à Polícia Civil no dia 11.
Antes de ser presa, ela gravou um vídeo em que dizia que a operação está associada a "interesses políticos". "É um absurdo que uma denúncia antiga, de 2012, 2013, esteja sendo cumprida agora. Um mandado de prisão preventiva contra mim, faltando dias para a eleição", afirmou.
A reportagem busca contato com a defesa da ex-deputada Cristiane Brasil. O espaço está aberto a manifestações.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO