Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

investigação

- Publicada em 15h34min, 16/09/2020. Atualizada em 15h41min, 16/09/2020.

Flordelis tem até às 19h desta sexta para enviar sua defesa à Corregedoria da Câmara

Parlamentar foi denunciada pelo MP-RJ como mandante do assassinato do marido

Parlamentar foi denunciada pelo MP-RJ como mandante do assassinato do marido


FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL/JC
A deputada Flordelis (PSD-RJ) tem até às 19h desta quarta-feira (16) para apresentar sua defesa à Corregedoria da Câmara ou pedir uma prorrogação desse prazo. Caso isso não ocorra, o corregedor deputado Paulo Bengston (PTB-AM) deverá escrever seu parecer apenas com base na acusação.
A deputada Flordelis (PSD-RJ) tem até às 19h desta quarta-feira (16) para apresentar sua defesa à Corregedoria da Câmara ou pedir uma prorrogação desse prazo. Caso isso não ocorra, o corregedor deputado Paulo Bengston (PTB-AM) deverá escrever seu parecer apenas com base na acusação.
Flordelis foi notificada pela Corregedoria sobre processo disciplinar contra ela, na quarta-feira passada, dia 9. Bengston foi até o apartamento funcional da parlamentar em Brasília para fazer a entrega da notificação. Ele ficou mais de uma hora na residência da parlamentar. Ela estava acompanhada de um advogado e de uma assessora.
"Segundo a assessoria dela, será entregue hoje (16) a defesa. Temos um prazo até as 19h para receber. Caso ela não entregue a defesa ou um pedido de prorrogação, nós já iremos a fazer o nosso parecer apenas com a parte da acusação, então, estamos no aguardo", disse Bengston ao Broadcast Político.
Após Flordelis apresentar sua defesa, por escrito, o corregedor tem até 45 dias para dar o seu parecer sobre o caso. Só então a Mesa Diretora vai decidir se envia o processo ao Conselho de Ética da Câmara, colegiado responsável por analisar a conduta dos parlamentares e recomendar a cassação. Cabe ao plenário, no entanto, decidir se a acusação de assassinato é ou não motivo para perda do mandato de deputada.
A parlamentar foi denunciada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro no mês passado como mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, morto em junho do ano passado. Dois filhos dela - entres adotados e biológicos, são 55 - já estavam presos pelo crime. No último dia 24, outros cinco, além de uma neta, também foram presos acusados de participação no assassinato.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO