Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

governo federal

- Publicada em 11h10min, 16/09/2020. Atualizada em 11h10min, 16/09/2020.

Escritório de líder do governo na Câmara é alvo de operação do MPF

Ricardo Barros (PP) assumiu como líder do governo na Câmara no lugar do Major Vitor Hugo (PSL)

Ricardo Barros (PP) assumiu como líder do governo na Câmara no lugar do Major Vitor Hugo (PSL)


MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL/JC
A Polícia Civil cumpre na manhã desta quarta-feira (16) um mandado de busca e apreensão no escritório político do deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo Jair Bolsonaro na Câmara, em Maringá (PR). A ação faz parte de uma operação do Ministério Público do Paraná. O MP confirma a operação, mas ainda não dá detalhes sobre as investigações. Barros estaria envolvido em um esquema sobre contratos no setor de energia entre 2011 e 2014. No período, ele foi secretário da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul do Paraná, no governo de Beto Richa (PSDB).
A Polícia Civil cumpre na manhã desta quarta-feira (16) um mandado de busca e apreensão no escritório político do deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo Jair Bolsonaro na Câmara, em Maringá (PR). A ação faz parte de uma operação do Ministério Público do Paraná. O MP confirma a operação, mas ainda não dá detalhes sobre as investigações. Barros estaria envolvido em um esquema sobre contratos no setor de energia entre 2011 e 2014. No período, ele foi secretário da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul do Paraná, no governo de Beto Richa (PSDB).
Em nota, a assessoria do deputado diz que Barros "está tranquilo e em total colaboração com as investigações". "O parlamentar reafirma a sua conduta ilibada e informa que solicitou acesso aos autos do processo para poder prestar mais esclarecimentos à sociedade e iniciar sua defesa. Ricardo Barros, relator da Lei de Abuso de Autoridade, repudia o ativismo político do judiciário".
O parlamentar assumiu a liderança do governo Bolsonaro em agosto, substituindo o deputado Vitor Hugo (PSL-GO). Barros também foi ministro da Saúde durante o governo de Michel Temer (MDB) e foi prefeito de Maringá entre 1989 e 1993. O deputado cumpre o seu sexto mandato na Câmara.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO