Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Distanciamento Controlado

- Publicada em 13h24min, 15/09/2020. Atualizada em 13h25min, 15/09/2020.

Quadras esportivas estão liberadas em regiões há 14 dias sem bandeira vermelha ou preta

Esportivos coletivos com contato, como futebol (foto), estariam liberados

Esportivos coletivos com contato, como futebol (foto), estariam liberados


JOÃO MATTOS/JC
O decreto nº 55.483, publicado pelo governo do Rio Grande do Sul na segunda-feira (14), permite que regiões que se encontram há pelo menos 14 dias na bandeira laranja ou amarela no modelo de distanciamento controlado do Estado liberem a prática de esportes coletivos em quadras esportivas. A flexibilização vale tanto para esportes que não exijam contato físico como para os que exigem, caso de futebol ou basquete, por exemplo.
O decreto nº 55.483, publicado pelo governo do Rio Grande do Sul na segunda-feira (14), permite que regiões que se encontram há pelo menos 14 dias na bandeira laranja ou amarela no modelo de distanciamento controlado do Estado liberem a prática de esportes coletivos em quadras esportivas. A flexibilização vale tanto para esportes que não exijam contato físico como para os que exigem, caso de futebol ou basquete, por exemplo.
No decreto, na seção de Serviços, consta-se que o uso das quadras está liberado "com intervalo de 1 hora entre os jogos e uso intercalado das quadras, para evitar aglomeração e permitir higienização". A utilização de espaços de entretenimento, como churrasqueiras e praça infantil, segue proibida.
No momento, Porto Alegre está classificada sob a bandeira vermelha, o que deixa a Capital inviabilizada. Das 21 regiões do modelo de distanciamento controlado, Uruguaiana, Taquara, Guaíba, Pelotas, Bagé, Caxias do Sul e Cachoeira do Sul estariam aptas a adotar tais medidas.
Comentários CORRIGIR TEXTO