Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

MPF

- Publicada em 20h51min, 17/08/2020.

Procuradoria nega arquivamento de inquérito contra Flávio Bolsonaro

Parlamentar é investigado por falsidade ideológica eleitoral

Parlamentar é investigado por falsidade ideológica eleitoral


/JEFFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO/JC
O Ministério Público Federal (MPF) decidiu nesta segunda-feira (17) impedir o arquivamento do inquérito eleitoral aberto há mais de dois anos contra o senador Flávio Bolsonaro (REP-RJ). Ele é investigado sob a suspeita de falsidade ideológica eleitoral, por ter supostamente omitido bens e atribuído valores distintos a um mesmo imóvel em declarações de bens entregues à Justiça Eleitoral em 2014 e 2016.
O Ministério Público Federal (MPF) decidiu nesta segunda-feira (17) impedir o arquivamento do inquérito eleitoral aberto há mais de dois anos contra o senador Flávio Bolsonaro (REP-RJ). Ele é investigado sob a suspeita de falsidade ideológica eleitoral, por ter supostamente omitido bens e atribuído valores distintos a um mesmo imóvel em declarações de bens entregues à Justiça Eleitoral em 2014 e 2016.
A 2ª Câmara Criminal de Revisão do MPF discordou da posição do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) de que não havia elementos que indicassem o cometimento de crime eleitoral pelo senador. Para os membros do colegiado, faltam diligências para que a existência do delito seja descartada.
O caso foi enviado à Câmara por determinação do juiz Flávio Itabaiana, responsável pelo inquérito na Justiça Eleitoral. A investigação será devolvida ao MP-RJ a fim de que a apuração seja concluída. Em nota, a defesa do senador disse que "a decisão da 2ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF desta data apenas permitirá a continuação da investigação eleitoral".
"Não houve denúncia e nem o arquivamento dos autos. Apenas decidiu-se que outro promotor eleitoral deverá presidir a investigação, em razão de o anterior já ter se posicionado pelo arquivamento", disse a defesa do senador.
Comentários CORRIGIR TEXTO