Porto Alegre, segunda-feira, 22 de junho de 2020.
Dia do Aeroviário.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 22 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Rio de Janeiro

22/06/2020 - 10h36min. Alterada em 22/06 às 10h35min

Secretário estadual de saúde do Rio de Janeiro deixa o cargo após 35 dias

O secretário estadual de Saúde do Rio, Fernando Ferry, anunciou nesta segunda-feira (22) que está deixando o cargo. A saída ocorre apenas 35 dias após ele assumir o posto que pertencia a Edmar Santos, que havia exonerado pelo governador Wilson Witzel (PSC) por "falhas na gestão de infraestrutura dos hospitais de campanha".
O secretário estadual de Saúde do Rio, Fernando Ferry, anunciou nesta segunda-feira (22) que está deixando o cargo. A saída ocorre apenas 35 dias após ele assumir o posto que pertencia a Edmar Santos, que havia exonerado pelo governador Wilson Witzel (PSC) por "falhas na gestão de infraestrutura dos hospitais de campanha".
A Secretaria Estadual de Saúde (SES) anunciou que o coronel do Corpo de Bombeiros Alex Bousquet assumirá a pasta. Médico graduado pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), Bousquet atua há 20 anos nos Bombeiros e é especialista em terapia intensiva pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB).
Em vídeo enviado à TV Globo no início da manhã, Fernando Ferry pediu desculpas à população do Rio, Estado que ocupa o segundo lugar no País em número de casos e de mortes por covid-19.
"Hoje estou pedindo exoneração do meu cargo de secretário de Estado de Saúde do Rio de Janeiro. Queria dizer que eu tentei. Eu agradeço ao governador por ter me dado esta oportunidade de tentar resolver estes graves problemas que estamos vendo na saúde. Eu só queria dizer mais uma coisa: peço desculpas à população", declarou. "Mas a única coisa que eu tenho a falar: eu tentei. Obrigado e espero que vocês me desculpem."
Fernando Ferry havia assumido o cargo em 18 de maio, um dia após Witzel exonerar Edmar Santos. O afastamento em meio à pandemia foi motivado por denúncias de fraudes na licitação para a compra de respiradores no valor de R$ 3,9 milhões, que levou servidores próximos à Santos para a cadeia, e pela demora na entrega de sete hospitais de campanha.
Logo que assumiu, Ferry chegou a declarar que os hospitais prometidos poderiam não ser entregues devido à demora, mas foi desautorizado por Witzel e voltou atrás. Apesar disso, apenas um unidade foi inaugurada desde então - a de São Gonçalo, na região metropolitana do Rio, entregue na semana passada com quase dois meses de atraso.
Comentários