Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Manifestação

- Publicada em 17h12min, 21/06/2020.

Atos no Parcão e no Centro de Porto Alegre foram registrados neste domingo

Ações mobilizaram centenas de pessoas no bairro Moinhos de Vento e no Centro

Ações mobilizaram centenas de pessoas no bairro Moinhos de Vento e no Centro


BM/DIVULGAÇÃO/JC
Dois atos políticos marcaram o dia em Porto Alegre neste domingo (20), em ações que mobilizaram centenas de pessoas, pela manhã no bairro Moinhos de Vento, e pela tarde no Centro da Capital. De acordo com o 9º Batalhão da Brigada Militar, que acompanhou ambos, não houve nenhum registro de ocorrências policiais e o monitoramento foi realizado para evitar possíveis conflitos.
Dois atos políticos marcaram o dia em Porto Alegre neste domingo (20), em ações que mobilizaram centenas de pessoas, pela manhã no bairro Moinhos de Vento, e pela tarde no Centro da Capital. De acordo com o 9º Batalhão da Brigada Militar, que acompanhou ambos, não houve nenhum registro de ocorrências policiais e o monitoramento foi realizado para evitar possíveis conflitos.
A BM não divulgou estimativas de público em nenhum dos casos. Pela manhã, no entorno do Parcão, tradicional ponto de concentração dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, estiveram reunidos representantes políticos com o deputado estadual Eric Lins (DEM) e representantes do Movimento Brasil Livre.
No início da tarde, coletivos de oposição, como de torcidas de futebol contrários ao presidente, representantes do movimento Vidas Negras Importam e políticos como o vereador Roberto Robaina (Psol), se concentraram na Esquina Democrática, na Avenida Borges de Medeiros.
“Apenas acompanhamos ambos para evitar que, caso algum deles marchasse em direção ao outro, não houvesse conflitos. A Constituição determina que um grupo não pode obstruir a reunião do outro”, diz o comandante do 9º Batalhão da Brigada Militar na Capital, tenente-coronel Fernando Gralha Nunes.
As imagens dos eventos, mostram, porém, que as normas de isolamento social deixaram de ser seguidas plenamente em ambos os casos, ou ao menos parcialmente.  Aglomerações, pessoas sem máscaras ou com uso incorreto e até mesmo com cornetas, que podem disseminar o vírus ao serem sopradas, colocaram em risco os manifestantes.
Comentários CORRIGIR TEXTO