Porto Alegre, sexta-feira, 19 de junho de 2020.
Dia do Cinema Brasileiro.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 19 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Investigação

Alterada em 19/06 às 17h45min

Senador Contarato pede ao STF apreensão do passaporte de Weintraub

Ofício foi encaminhado ao ministro Alexandre de Moraes, que conduz inquérito das fake news

Ofício foi encaminhado ao ministro Alexandre de Moraes, que conduz inquérito das fake news


MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL/JC
O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) encaminhou, nesta sexa-feira (19) um ofício ao Supremo Tribunal Federal pedindo a apreensão do passaporte do ministro demissionário da Educação, Abraham Weintraub, para evitar que ele saia do País enquanto durar o inquérito das fake news. O documento foi encaminhado ao ministro Alexandre de Moraes, que conduz as investigações.
O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) encaminhou, nesta sexa-feira (19) um ofício ao Supremo Tribunal Federal pedindo a apreensão do passaporte do ministro demissionário da Educação, Abraham Weintraub, para evitar que ele saia do País enquanto durar o inquérito das fake news. O documento foi encaminhado ao ministro Alexandre de Moraes, que conduz as investigações.
Contarato solicita que uma medida cautelar proibindo Weintraub de fazer viagens ao exterior seja lançada no sistema de tráfego internacional e que seu passaporte seja recolhido pelas autoridades. O pedido veio após o ministro recém-demitido anunciar, nas redes sociais, que está de saída do País.
Amigo dos filhos do presidente, o ministro vinha resistindo no cargo nos últimos meses por manter o apoio da ala ideológica do governo, da qual fazia parte. Bolsonaro relutava em demiti-lo para não desagradar a parte mais ruidosa do seu eleitorado, mas a pressão pela exoneração, iniciada com críticas na comunidade acadêmica e nos meios estudantil e político, aumentou após a escalada de tensão entre o Planalto e o STF - que teve como um dos pivôs o próprio Weintraub. A saída do ministro foi lida como um gesto de trégua do governo.
Na reunião ministerial de 22 de abril, a portas fechadas com a cúpula governista, o então ministro da Educação chama os integrantes do Supremo de 'vagabundos' e pede sua prisão. A declaração lhe rendeu a inclusão como investigado no inquérito das fake news.
Além disso, o ministro demissionário é investigado por racismo em razão de um tuíte no qual insinuou que a China vai sair fortalecida da crise causada pelo coronavírus, apoiada por seus 'aliados no Brasil'.
 
Comentários