Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Senado

- Publicada em 20h13min, 04/06/2020. Alterada em 20h13min, 04/06/2020.

Senado aprova ajuda emergencial de R$ 3 bilhões para setor cultural

A proposta foi apelidada de "Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc"

A proposta foi apelidada de "Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc"


JEFFERSON RUDY/AGÊNCIA SENADO/JC
O Senado aprovou nesta quinta-feira (4), por unanimidade, projeto de lei que destina R$ 3 bilhões para o setor cultural durante a pandemia do novo coronavírus. A proposta seguirá para sanção presidencial.
O Senado aprovou nesta quinta-feira (4), por unanimidade, projeto de lei que destina R$ 3 bilhões para o setor cultural durante a pandemia do novo coronavírus. A proposta seguirá para sanção presidencial.
Durante a tramitação no Congresso, a proposta foi apelidada de "Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc", em homenagem ao compositor brasileiro que morreu após ser diagnosticado com Covid-19.
Os recursos serão repassados para Estados e municípios e poderão ser usados para pagamento de renda emergencial para trabalhadores do setor, na manutenção de espaços culturais e para aplicação em editais e no financiamento de chamadas públicas, editais e aquisições de bens e serviços.
O projeto define o pagamento de três parcelas de R$ 600 a trabalhadores sem vínculo formal na área de cultura. O benefício poderá ser prorrogado no mesmo prazo do auxílio emergencial do governo federal aos informais. Também poderão ser repassados de R$ 3 mil a R$ 10 mil para manutenção de espaços artísticos.
Em seu relatório, o senador Jaques Wagner (PT-BA) afirmou que os efeitos da pandemia no setor foram mais graves no País pois, nos últimos anos, houve uma interrupção de políticas culturais. Há, no entanto, preocupação de que o presidente Jair Bolsonaro vete a medida.
"Eu tenho certeza absoluta (que o presidente) será sensível a um setor que por ele também é admirado", disse o líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO).
 
Comentários CORRIGIR TEXTO