Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Procuradoria Geral da República

- Publicada em 15h41min, 31/03/2020.

Aras defende suspensão de decretos estaduais que barram transporte de passageiros

Aras cita decreto da gestão Bolsonaro, que condiciona fechamento de divisas e quarentenas à Anvisa

Aras cita decreto da gestão Bolsonaro, que condiciona fechamento de divisas e quarentenas à Anvisa


ISAC NÓBREGA/PR/JC
O procurador-geral da República Augusto Aras defendeu perante o Supremo Tribunal Federal (STF) a suspensão de decretos estaduais e municipais que travaram o transporte de cargas e de passageiros. A medida pode atingir diretamente ações como a do governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), que fechou as divisas do Estado como forma de prevenção e combate ao novo coronavírus.
O procurador-geral da República Augusto Aras defendeu perante o Supremo Tribunal Federal (STF) a suspensão de decretos estaduais e municipais que travaram o transporte de cargas e de passageiros. A medida pode atingir diretamente ações como a do governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), que fechou as divisas do Estado como forma de prevenção e combate ao novo coronavírus.
O pedido de liminar foi apresentado pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) contra medidas impostas pelos governadores de Goiás, Bahia, Mato Grosso, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, além dos prefeitos de Florianópolis e Tamandaré (PE).
Aras afirmou que as medidas adotadas pelos gestores, mesmo sendo voltadas à saúde da população, "apresentam potencialidade para impedir o acesso a serviço de saúde por parte das pessoas que necessitem se deslocar para outros Estados e Municípios". Segundo o PGR, ao baixar os decretos, os governadores e prefeitos extrapolaram competência da União para decidir sobre os temas.
O procurador-geral cita decreto da gestão Bolsonaro, que condiciona fechamento de divisas e quarentenas à apresentação de um parecer da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A medida foi vista pelo governadores como uma tentativa de limitar os poderes estaduais - e tem sido questionada no Congresso.
"O exame dos atos normativos impugnados, em juízo perfunctório, típico ao exame do pedido cautelar, revela situações capazes de usurpar a competência privativa da União para legislar sobre trânsito e transporte, bem como a violar as próprias competências de estados e municípios, nos termos da jurisprudência do STF", disse Aras.
Se a manifestação da PGR for atendida, a liminar pode impactar decreto do governador do Rio, que impôs medidas restritas em todo o Estado.
Desde o último dia 19 de março, o governador suspendeu linhas rodoviárias interestaduais e voos para países com casos de coronavírus e interrompeu a circulação de ônibus entre a capital e cidades vizinhas. As medidas foram renovadas no domingo, 30, por mais 15 dias.
 
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO