Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Presidência da República

- Publicada em 19h38min, 30/03/2020.

Depois do Twitter, Facebook também apaga post de Bolsonaro

Facebook entende que presidente propagou 'desinformação' que pode 'causar danos reais às pessoas'

Facebook entende que presidente propagou 'desinformação' que pode 'causar danos reais às pessoas'


MARCOS PEREIRA/ESTADÃO/JC
Após o Twitter, o Facebook também decidiu, nesta segunda-feira (30), apagar publicação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de suas plataformas, por entender que ela cria "desinformação" que pode "causar danos reais às pessoas".
Após o Twitter, o Facebook também decidiu, nesta segunda-feira (30), apagar publicação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de suas plataformas, por entender que ela cria "desinformação" que pode "causar danos reais às pessoas".
A publicação é de um dos vídeos do passeio que o presidente fez no Distrito Federal neste domingo (29), criando aglomeração e contrariando seu próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que recomendou que as pessoas ficassem em casa como medida de enfrentamento ao coronavírus.
O vídeo também foi apagado do Instagram, rede social que pertence ao Facebook. "Removemos conteúdo no Facebook e Instagram que viole nossos Padrões da Comunidade, que não permitem desinformação que possa causar danos reais às pessoas", diz a empresa em nota.
Neste domingo, duas postagens feitas por Jair Bolsonaro foram apagadas do Twitter. A empresa considerou que as postagens violavam as regras de uso ao potencialmente colocar as pessoas em maior risco de transmitir o novo coronavírus.
Foi a primeira vez que a rede social apagou postagens do presidente do Brasil. A companhia também apagou um post do ditador da Venezuela, Nicolás Maduro.
Comentários CORRIGIR TEXTO