Porto Alegre, quinta-feira, 19 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR
Notícia da edição impressa de 19/03/2020. Alterada em 18/03 às 19h59min

Bancada evangélica pede reabertura de templos para enfrentar "pandemia maligna"

Silas Câmara apresentou nota assinada por parlamentares evangélicos

Silas Câmara apresentou nota assinada por parlamentares evangélicos


/JOS/ABR/JC
O presidente da Frente Parlamentar Evangélica do Congresso Nacional, deputado Silas Câmara (REP-AM), divulgou nota para pedir a reabertura de templos - o que significa aglomeração de pessoas, situação de extremo risco por causa do coronavírus. Os parlamentares argumentam que precisam de orações para enfrentar a "pandemia maligna".
O presidente da Frente Parlamentar Evangélica do Congresso Nacional, deputado Silas Câmara (REP-AM), divulgou nota para pedir a reabertura de templos - o que significa aglomeração de pessoas, situação de extremo risco por causa do coronavírus. Os parlamentares argumentam que precisam de orações para enfrentar a "pandemia maligna".
"Sabemos que a Igreja é lugar de refúgio para muitos que se acham amedrontados e desesperados. A fé ajuda a superar angústias e é fator de equilíbrio psicoemocional. Por isso, neste momento de tanta aflição, é fundamental que os templos, guardadas as devidas medidas de prevenção, estejam de portas abertas para receber os abatidos e acolher os desesperados", diz a bancada. "Cremos que a fé é uma grande aliada neste grave momento da nação, por isso não podemos limitá-la."
A banda evangélica disse dar "apoio irrestrito à decretação do Estado de Calamidade Pública" pelo governo federal. A decisão do governo permite o rompimento da lei de teto de gastos.
"Reiteramos ainda nossa disposição plena de apoiar todas as medidas necessárias que visem garantir a proteção da saúde da população, bem como sua estabilidade social e econômica", afirma, em nota.
Os parlamentares também pediram às autoridades dos três poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário, "para que deixem de lado eventuais diferenças e unam-se nesta grande batalha em favor da nação".