Porto Alegre, segunda-feira, 16 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Governo Federal

Notícia da edição impressa de 16/03/2020. Alterada em 16/03 às 03h00min

Foi irresponsabilidade, avaliam parlamentares sobre presidente participar de protestos

Parlamentares de diferentes partidos consideraram uma irresponsabilidade a ida do presidente Jair Bolsonaro à manifestação contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal em Brasília, neste domingo (15), em meio à pandemia de coronavírus.
Parlamentares de diferentes partidos consideraram uma irresponsabilidade a ida do presidente Jair Bolsonaro à manifestação contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal em Brasília, neste domingo (15), em meio à pandemia de coronavírus.
Ignorando orientações dadas por ele mesmo na semana passada, o presidente da República incentivou os atos desde cedo em suas redes sociais - foram 31 postagens sobre o tema até as 17h. Sem máscara, participou das manifestações em Brasília, tocando simpatizantes e manuseando o celular de alguns apoiadores para fazer selfies.
Bolsonaro também contrariou orientação da equipe médica da presidência. Ele havia sido aconselhado a evitar locais com aglomeração. "Ele está com suspeita (de ter Covid-19) e está pegando a mão das pessoas. É fora de qualquer limite de respeito à população que é vulnerável. Ele está fazendo uma coisa de alto risco e estimulando outras pessoas a fazer o mesmo. É total irresponsabilidade", afirmou o líder do PSD, senador Otto Alencar (BA), que também é médico.
O presidente da CPMI das fake news, senador Angelo Coronel (PSD-BA), considerou a situação "um absurdo". "Ele tem que manter a liturgia do cargo, não participar de atos desta natureza", afirmou o senador, que também condenou o simbolismo político da manifestação. "Ele quer o confronto, quer colocar o Executivo contra o Legislativo e o Judiciário e botar o povo como escudo dele. É uma irresponsabilidade que não tem tamanho."
A presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Simone Tebet (MDB-MS), disse que deixaria "a fotografia e a história falarem por si". Para o deputado Marcelo Ramos (PL-AM), a participação de Bolsonaro no ato em Brasília "deixa claro que ele não tem nenhuma responsabilidade com a agenda econômica do País". "Se tivesse, estaria procurando unir o povo em torno dela e não dividi-lo em torno de pautas antidemocráticas e secundárias." Pelo aspecto da saúde pública, ele disse que o comportamento de Bolsonaro foi "uma irresponsabilidade completa que desmoraliza as preocupações do ministro da Saúde".