Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Governo Federal

- Publicada em 19h19min, 13/03/2020.

Bolsonaro é principal termo associado ao coronavírus no Twitter, diz FGV

O presidente Jair Bolsonaro é o principal ator associado ao debate no Twitter sobre coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro é o principal ator associado ao debate no Twitter sobre coronavírus


ANTONIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC
Um estudo elaborado pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV) mostra que desde terça-feira (10), o presidente Jair Bolsonaro é o principal ator associado ao debate no Twitter sobre coronavírus, reunindo 8% dos tuítes de brasileiros.
Um estudo elaborado pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV) mostra que desde terça-feira (10), o presidente Jair Bolsonaro é o principal ator associado ao debate no Twitter sobre coronavírus, reunindo 8% dos tuítes de brasileiros.
A única palavra-chave de maior presença que o nome do presidente, excluindo-se o termo "coronavírus", é "pandemia", com 9% de associação. Nenhuma outra autoridade política brasileira ou internacional, nem mesmo o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aparece com volume superior a 3% de presença no debate.
A pesquisa também indica que o aumento de citações ocorreu a partir da divulgação de que o secretário de Comunicação do governo federal, Fabio Wajngarten, testou positivo para o vírus, e sob as especulações de que o presidente Jair Bolsonaro também estaria infectado.
Segundo a FGV, o pronunciamento e o teste de Bolsonaro foram fundamentais para pautar o debate. Na terça-feira (10), as postagens priorizavam informações a partir de boletins e de prevenção e na quinta-feira (12), o número de tuítes já havia aumento em 900%.
Há duas semanas, quando o assunto não era tratado como prioritário por autoridades brasileiras, humor e memes eram 42% do debate sobre coronavírus nas redes segundo a FGV.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO