Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Governo Federal

- Publicada em 19h19min, 13/03/2020. Atualizada em 19h19min, 13/03/2020.

Bolsonaro é principal termo associado ao coronavírus no Twitter, diz FGV

O presidente Jair Bolsonaro é o principal ator associado ao debate no Twitter sobre coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro é o principal ator associado ao debate no Twitter sobre coronavírus


ANTONIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC
Um estudo elaborado pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV) mostra que desde terça-feira (10), o presidente Jair Bolsonaro é o principal ator associado ao debate no Twitter sobre coronavírus, reunindo 8% dos tuítes de brasileiros.
Um estudo elaborado pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV) mostra que desde terça-feira (10), o presidente Jair Bolsonaro é o principal ator associado ao debate no Twitter sobre coronavírus, reunindo 8% dos tuítes de brasileiros.
A única palavra-chave de maior presença que o nome do presidente, excluindo-se o termo "coronavírus", é "pandemia", com 9% de associação. Nenhuma outra autoridade política brasileira ou internacional, nem mesmo o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aparece com volume superior a 3% de presença no debate.
A pesquisa também indica que o aumento de citações ocorreu a partir da divulgação de que o secretário de Comunicação do governo federal, Fabio Wajngarten, testou positivo para o vírus, e sob as especulações de que o presidente Jair Bolsonaro também estaria infectado.
Segundo a FGV, o pronunciamento e o teste de Bolsonaro foram fundamentais para pautar o debate. Na terça-feira (10), as postagens priorizavam informações a partir de boletins e de prevenção e na quinta-feira (12), o número de tuítes já havia aumento em 900%.
Há duas semanas, quando o assunto não era tratado como prioritário por autoridades brasileiras, humor e memes eram 42% do debate sobre coronavírus nas redes segundo a FGV.
Comentários CORRIGIR TEXTO