Porto Alegre, terça-feira, 10 de março de 2020.
Dia do Telefone.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Procuradoria-Geral da República

10/03/2020 - 12h05min. Alterada em 10/03 às 12h05min

Aras dispensa vice-procurador-geral e nomeia Humberto Jacques para o cargo

O procurador-geral da República, Augusto Aras, dispensou do cargo o seu vice José Bonifácio Borges de Andrada nessa segunda-feira (9). Aras disse se tratar de uma "movimentação normal". Para o lugar de Andrada, ele nomeou o vice-procurador-geral eleitoral Humberto Jacques de Medeiros.
O procurador-geral da República, Augusto Aras, dispensou do cargo o seu vice José Bonifácio Borges de Andrada nessa segunda-feira (9). Aras disse se tratar de uma "movimentação normal". Para o lugar de Andrada, ele nomeou o vice-procurador-geral eleitoral Humberto Jacques de Medeiros.
Em decisão publicada no Diário Oficial da União, Aras diz que tomou a decisão "a pedido". Andrada estava no cargo desde 26 de setembro de 2019, quando o recém-empossado PGR nomeou sua equipe de trabalho. Ele já havia ocupado a função de vice-procurador-geral da República no segundo mandato de Rodrigo Janot. Também foi Advogado-Geral da União durante o último ano do governo Fernando Henrique Cardoso, em 2002.
Humberto Jacques, por sua vez, estava na lista da equipe de trabalho de Aras. Ele é o vice-procurador-geral eleitoral. Em novembro do ano passado, Jacques buscou uma saída alternativa que previa a manutenção dos mandatos dos deputados "infieis" de PSB e PDT que votaram favoravelmente à Reforma da Previdência mesmo após seus partidos fecharem questão pelo voto contrário.
Em parecer enviado no mesmo mês ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Jacques se manifestou contra a coleta de assinaturas digitais para a criação de partidos. A medida ajudaria o Aliança, partido do presidente Jair Bolsonaro, a sair do papel. À época, o vice-procurador-geral eleitoral disse que todo o esforço na Justiça Eleitoral "é devotado ao tratamento dos documentos em papel".