Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

pesquisa

- Publicada em 03h00min, 28/02/2020.

Satisfação com democracia aumenta no Brasil, diz estudo

A insatisfação com o modo de funcionamento da democracia caiu no Brasil: se dois anos atrás 83% se diziam insatisfeitos,agora esse percentual é de 56%, segundo estudo do Pew Research Center divulgado nesta quinta-feira (27). A entidade, sediada em Washington, pesquisou como as pessoas avaliam os vários elementos que formam uma democracia, como a livre circulação de ideias, a liberdade religiosa, a realização de eleições e uma Justiça independente. O estudo fez 38.426 entrevistas em 34 países, entre 13 de maio e 2 de outubro de 2019.
A insatisfação com o modo de funcionamento da democracia caiu no Brasil: se dois anos atrás 83% se diziam insatisfeitos,agora esse percentual é de 56%, segundo estudo do Pew Research Center divulgado nesta quinta-feira (27). A entidade, sediada em Washington, pesquisou como as pessoas avaliam os vários elementos que formam uma democracia, como a livre circulação de ideias, a liberdade religiosa, a realização de eleições e uma Justiça independente. O estudo fez 38.426 entrevistas em 34 países, entre 13 de maio e 2 de outubro de 2019.
"Algumas vezes,vemos que a insatisfação com a democracia diminui logo após uma eleição, o que foi o caso do Brasil", diz Richard Wike, diretor do setor de Pesquisas de Atitudes Globais do Pew.
"No País, a insatisfação caiu ao longo de todo o espectro ideológico, mas o declínio foi acentuado entre pessoas que se identificam como de direita", analisa. O levantamento apontou também a queda no apoio à liberdade de imprensa: 60% dos brasileiros entrevistados disseram considerar muito importante que a imprensa possa reportar as notícias sem sofrer censura. Em 2015, o apoio era de 71%.
A imprensa tem sofrido ataques constantes do presidente Jair Bolsonaro e de seus aliados, inclusive com insultos pessoais a jornalistas. Nos últimos anos, a liberdade de imprensa passou a ser considerada mais importante em países como França (65% a valorizam), Reino Unido (77%) e Argentina (80%). Nos EUA, houve alta de 13 pontos percentuais, e atualmente 80% a vê como uma prioridade.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO