Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

ensino superior

17/02/2020 - 15h58min. Alterada em 17/02 às 15h58min

MEC não pode emitir carteira estudantil a partir desta segunda-feira

A ID Estudantil dá, ao estudante, direito a meia entrada em eventos culturais e esportivos

A ID Estudantil dá, ao estudante, direito a meia entrada em eventos culturais e esportivos


MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO/REPRODUÇÃO/JC
Agência Brasil
O Ministério da Educação (MEC) não está emitindo novas Identidade Estudantil (ID) - as carteiras digitais de estudante. A suspensão, que começou a vigorar neste domingo (16), se deve ao fim da validade da Medida Provisória 895/2019, que instituía o aplicativo e, gratuitamente, disponibilizava o documento virtual para estudantes de instituições de ensino brasileiras.
O Ministério da Educação (MEC) não está emitindo novas Identidade Estudantil (ID) - as carteiras digitais de estudante. A suspensão, que começou a vigorar neste domingo (16), se deve ao fim da validade da Medida Provisória 895/2019, que instituía o aplicativo e, gratuitamente, disponibilizava o documento virtual para estudantes de instituições de ensino brasileiras.
A ID Estudantil dá, ao estudante, direito a meia entrada em eventos culturais e esportivos. De acordo com o MEC, as 325.746 IDs estudantis já emitidas continuarão valendo, até sua data de expiração. Apesar de o estudante não ter de pagar qualquer taxa pela carteira virtual, cada unidade sai a R$ 0,15, valor arcado pelo governo federal.
Na avaliação do presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Iago Montalvão, a criação dessa carteira estudantil "supostamente gratuita, mas paga com dinheiro público" pelo MEC foi uma "forma de ameaça e de retaliação do governo federal contra o movimento estudantil", uma vez que comprometeria a principal fonte de receita das entidades representativas dos estudantes no país.
"Essa MP foi imposta com claro objetivo de perseguir um setor da sociedade que tem feito oposição ao governo. Tentaram, de forma antidemocrática, enfiar essa MP goela abaixo, mas, felizmente, além de não vingar, ela acabou mexendo com todo movimento estudantil, dando maior tom político à nossa carteira de estudante, e reforçando ela enquanto instrumento da luta em defesa da educação", disse Montalvão.
De acordo com a UNE, a MP acabou sendo vista com desconfiança pelos parlamentares e por grande parte da opinião pública. "Essa rejeição, associada aos graves ataques feitos por este governo à educação, acabou influenciando o Congresso, a ponto de não conseguir ter o apoio necessário para a aprovação da MP", acrescentou o representante dos estudantes universitários.
Segundo o MEC, o objetivo da ID Estudantil é oferecer uma alternativa à carteirinha de plástico que continua sendo emitida por entidades estudantis como UNE e União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), a um custo de R$ 35.
Segundo a UNE, estudantes de baixa renda podem receber o documento gratuitamente, desde que comprovem renda familiar per capita de até 1,5 salário-mínimo.