Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Governo Federal

Notícia da edição impressa de 12/02/2020. Alterada em 11/02 às 19h58min

Após operação da PF, Ronaldo Nogueira pede demissão da Funasa

Ronaldo Nogueira foi ministro do Trabalho durante o governo Temer

Ronaldo Nogueira foi ministro do Trabalho durante o governo Temer


MARCELO CAMARGO/ABR/JC
O presidente da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Ronaldo Nogueira (PTB) pediu demissão do cargo na tarde desta terça-feira (11) ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM).
O presidente da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Ronaldo Nogueira (PTB) pediu demissão do cargo na tarde desta terça-feira (11) ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM).
Em nota, o ex-ministro do Trabalho do governo de Michel Temer (MDB) e ex-deputado federal pelo Rio Grande do Sul, afirma que tomou a decisão "em virtude das notícias veiculadas na imprensa nacional nos últimos dias, com ilações sobre o meu nome".
Nogueira foi um dos alvos da Operação Gaveteiro, deflagrada pela Polícia Federal (PF) na quinta-feira passada, e que investiga desvios de mais de R$ 50 milhões, entre 2016 e 2018, no extinto Ministério do Trabalho, em um contrato entre a pasta e uma empresa de tecnologia da informação.
"Tomei a iniciativa deste gesto por entender ser o melhor a ser feito no momento. Desta forma, terei mais tempo para dedicar-me à minha defesa e para trazer à luz a verdade dos fatos, bem como, preservar as atividades e a integridade da Funasa", disse Nogueira, na nota, na qual também agradece a confiança de Mandetta, do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e do chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM).
Notícia do jornal O Globo nesta terça-feira dizia que o governo federal já buscava um nome para substituir o presidente da Funasa, por avaliar que a permanência de Nogueira no cargo ficou insustentável após a ação da PF.