Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de fevereiro de 2020.
Dia do Gráfico.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo federal

Edição impressa de 07/02/2020. Alterada em 07/02 às 03h00min

Jair Bolsonaro demite ministro do Desenvolvimento Regional

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decidiu substituir o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto. No lugar, entra Rogério Marinho, secretário especial do Trabalho e da Previdência.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decidiu substituir o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto. No lugar, entra Rogério Marinho, secretário especial do Trabalho e da Previdência.

A mudança faz parte de uma estratégia do presidente de buscar mais resultados em 2020. Canuto era tido como um ministro com baixos índices de resultado e ganhou, no governo, a pecha de ser "roda presa".

Ministro da Integração de Michel Temer (MDB), Canuto continuou no governo com o apoio dos ministros Tarcísio Freitas (Infraestrutura) e Wagner Rosário (Controladoria Geral da União). Canuto é técnico e não tem filiação partidária, mas era bem quisto no Congresso Nacional.

Na tarde desta quinta-feira, Bolsonaro recebeu Wagner Rosário para uma reunião no Palácio do Planalto. Ele acompanhou a live do presidente da República, assistindo ao discurso de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, que recentemente se livrou de um processo de impeachment. 

Fontes do setor da construção elogiaram a escolha de Rogério Marinho para substituir Canuto no MDR. Segundo um executivo, além de ser inteligente, Marinho é muito habilidoso politicamente. Ele teve participação ativa em duas grandes reformas, a trabalhista, quando era deputado e foi relator da proposta na Câmara, e a previdenciária, como secretário especial de Previdência e Trabalho.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia